5 lugares para viajar ainda neste outono

Apesar do frio que já está começando a mostrar as caras, tem como passear por diversos lugares antes do inverno oficial chegar. A empresa Startup Tripsz, que conecta viajantes a agências de excursões de ônibus, fez um levantamento dos destinos mais buscados no outono, estação que vai até o dia 21 de junho, apesar de parecer que essa estação já acabou em São Paulo e mais algumas regiões do Brasil.

Veja abaixo 5 lugares para viajar no outono:

Jalapão, em Tocantins

O Jalapão é um destino propício para conhecer no outono por conta do ecoturismo e temperatura mais amena quase sem chuva da cidade. O Parque Estadual, uma das principais atrações, é um cenário à parte. As dunas e o pôr-do-sol se fundem em uma pintura natural. Os fervedouros, poços com águas cristalinas são imperdíveis para a sua visitar e postar uma foto no Instagram.

Não deixe de visitar os fervedouros como o Rio Sono
Instagram/@tamirismendes_arq

Esse destino também é muito procurado para a prática de ecoturismo como canoagem, rafting, rapel e trilhas que podem ser feitas de bicicleta ou a pé. Outro destaque é a trilha do Morro Vermelho com formações rochosas bem diferentes e avermelhadas.

Monte Sião, em Minas Gerais

A cidade de Monte Sião tem uma natureza exuberante e gastronomia regional que agrada. Além disso, a Festa do Peão é considerada o melhor rodeio do Sul de Minas Gerais, que acontece todo mês de março. Aproveite a fabricação de porcelanas nas cores azul e branca para decorar a sua casa.

Praça na cidade
Divulgação/Gran Concursos Online

Cunha, em São Paulo

A cidade de Cunha fica localizada no Alto Vale da Paraíba em São Paulo. No outono a região começa a transmitir um charme por causa da natureza que está rodeada de montanhas e verde.

O passeio que você não pode deixar de fazer é no lavandário. Lá você observa o campo de diversas espécies de lavanda e ainda consegue aproveitar a vista do vale.

Para quem gosta de uma ecotrip, a trilha que leva à Pedra da Macela também é um dos atrativos. Se prepare para os 5 km (ida e volta) que vão te levar para uma vista de 1.840 metros de altitude, sendo possível até avistar a cidade de Paraty (RJ).

Lavandário no fim de tarde com o pôr do sol é uma parada obrigatória
Divulgação/Instagram @vmiura

Serra Negra, em São Paulo

Se você curte passear em parques e ver fontes de águas naturais, Serra Negra é uma opção imperdível, localizada a 104 km da capital de SP, a cidade faz parte do Circuito das Águas e possui diversos espaços verdes para aproximar o turista do campo.

Entre os lugares que você pode visitar estão:

  • Parque dos Macaquinhos;
  • Fonte Santo Agostinho;
  • Parque Represa Dr. Jovino Silveira e
  • Teleférico, cartão-postal da cidade, que garante uma vista panorâmica da região a quase mil metros de altura.
Vista natural de Serra Negra
Divulgação/Instagram @visiteserranegra

Jundiaí, em Sao Paulo

A cidade está na época da colheita da alta produção de uva e morango e possui atrações como a Rota Turística do Vinho e o Parque da Uva, com adegas para degustação de vinhos e licores.

Aproveite o Circuito das Frutas na região, um roteiro turístico que integra as dez cidades nos arredores da capital paulista que se destacam pela produção de frutas de mesa: Atibaia, Indaiatuba, Itatiba, Itupeva, Jarinu, Jundiaí, Louveira, Morungaba, Valinhos e Vinhedo.

Vista da cidade de Jundiaí
Divulgação/Oi Menu


Aproveite as facilidades do aplicativo de viagem Tripz

No aplicativo Tripsz, disponível para Android e iOS, é possível comparar preços de mais de 60 agências de turismo com excursões para diversos destinos. O app também oferece benefícios como cashback (dinheiro de volta) e melhores formas de pagamento que incluem Pix, cartão de crédito e boleto.

Como tive que correr com medo de ser atingido com garrafa no Chile

O Chile é um país que eu considero seguro, porém em um dia que fui passear pelo centro de Santiago, começaram a fazer manifestações por causa do dia internacional da mulher, 8 de março. Eu pensei que seria apenas uma manifestação pacífica sem mais preocupações como as que já tinha visto só pelos jornais na TV, mas aí que me enganei. Uma coisa é você ver pela TV, outra coisa é você se deparar com uma manifestação imprevisível bem no caminho da sua hospedagem.

Eu sabia que estavam acontecendo manifestações, mas até onde sabia, não era na parte do centro de Santiago que eu fui passear e nem passou pela minha cabeça que a rua que eu estava pegando para voltar até o meu hostel, era o ponto mais crítico, pelo menos foi o que pareceu.

Depois de passar por alguns lugares pelo centro, como a Plaza de Armas e bater mais um pouco de perna, eu decidi visitar o famoso Cerro Santa Lucia, no entanto, já estava fechado quando cheguei lá. Não por causa do horário, mas devido às manifestações que já começaram a ficar descontroladas.

Quando cheguei faltando umas duas ruas para chegar no meu hostel. Bem no meio da esquina, tinha um monte de gente gritando, alguns com bandeiras e outros até com pedaço de madeiras nas mãos.

Apesar disso pensei: “Bom, acho que consigo passar por essa esquina e só virar a direita que aí já chego no hostel”.

Porém, na medida em que eu fui me aproximando da esquina, fui percebendo que aquele monte de gente estava com muita euforia e algumas pessoas começaram a discutir ali bem alto com raiva.

Teve um carro que teve a audácia de tentar passar por aquele monte de gente e acabou sendo cercado de pessoas que estavam em um nível descontrolado, mas o carro conseguiu aos poucos dar ré e sair dali.

De repente várias pessoas começaram a correr não sei do quê e isso já foi me deixando assustado. Quando olhei mais para o meio daqueles manifestantes, tinha uns rapazes com umas garrafas de vidro na mão e também vinham correndo bem na minha direção, que já tinha várias pessoas correndo.

Não tinha como eu passar para a rua do meu hostel por causa da quantidade de gente e do meu medo de acabar entrando em outro tumulto.

Eu precisei pensar rápido e aí acabei atravessando a rua correndo e me abaixando com medo daqueles homens jogarem alguma garrafa na minha direção e pegar bem na minha cabeça. Foi uma correria só.

Sorte que passei rápido para a outra calçada. Naquele momento eu já estava com o meu coração na mão. Eu só precisava encontrar outra rua para chegar até a minha hospedagem.

Fui voltando, me afastando daquela bagunça. Algumas pessoas vinham correndo pela mesma calçada que eu. Provavelmente aqueles rapazes com garrafas na mão estavam se aproveitando para causar tumulto e impor medo naquela situação. Eu não quis correr para não acabar me desesperando ou ser confundido com alguém.

Depois que me afastei daquela confusão, caminhei mais algumas ruas e finalmente cheguei aliviado na porta do hostel.

Paz e harmonia na Plaza de Armas, no coração do centro de Santiago

8 lugares imperdíveis para conhecer em São Paulo

São Paulo tem muito atrativo turístico. Tem parques, museus, restaurantes, teatros e comércios para diversos gostos. O Parque Ibirapuera, a Avenida Paulista, o Edifício Martinelli, o Museu da Caixa Econômica Federal, o Teatro Municipal, o Mercado Municipal, o bairro da Liberdade e o Parque da Luz são pontos básicos que todo turista provavelmente vai gostar de visitar.

Para escolher a sua hospedagem, evite lugares que estejam próximos dos seguintes bairros: Sé, República, Luz e Júlio Prestes. Não recomendo andar por essa parte do centro de São Paulo sozinho de dia, e ainda mais de noite, pois pode ser perigoso. Apesar de não acontecer nada comigo por lá, é bom evitar essas regiões.

E aqui vão os lugares baseados no meu gosto para você conhecer:

1 – Parque Ibirapuera

O Parque Ibirapuera é um oásis em meio a uma selva de pedra como São Paulo. Eu simplesmente amo esse parque que tem um espaço enorme seja para pedalar de bicicleta, caminhar, correr, comer, fazer piquenique ou apenas ficar observando o enorme lago com os chafarizes.

Lago do Parque Ibirapuera

A beleza da natureza é o ponto forte deste passeio. Existem também as diferentes exposições nos museus, eventos nos pavilhões e as atrações que acontecem por lá durante todo o ano ou um período breve.

Paisagem natural no meio de uma cidade gigantesca
Esse é o Monumento às Bandeiras que fica de frente ao Parque Ibirapuera. Essa grande escultura é uma homenagem aos bandeirantes dos séculos XVII e XVIII

Dica hospedagem na região:

Ibis São Paulo Ibirapuera

Curta a sala de estar com conforto
Divulgação/Hurb

Bourbon Convention Ibirapuera

Arte é o que não falta neste hotel
Divulgação/Hurb

Comfort Ibirapuera Atlantica

Aproveite uma tarde ensolarada nesta piscina
Divulgação/Hurb

2 – Avenida Paulista

Aqui você vai sentir como é o auge da urbanização de São Paulo que abriga opções para comer, beber, se entreter com arte, música ou exposições. Você também pode simplesmente caminhar e relaxar por lá.

Parque Trianon

Essa pequena área verde sobrevive no meio da agitada “Paulista”, como chamam os frequentadores da avenida. O projeto do parque foi feito pelo paisagista frânces Paul Villon e o inglês Barry Parker.

Você consegue levar as crianças no playground, se mexer nos aparelhos de ginástica e caminhar pela trilha do fauno (caminho com 11 estações e 600 metros que liga a avenida Paulista com a Alameda Santos).

Essa dica é para se você se cansar de andar no meio dos prédios, já tem um lugar para respirar melhor e descansar em um banquinho. Parece até que você sai de São Paulo.

Tem verde também no meio da selva de pedra
Reprodução/Seu Mochilão

Livraria Cultura

Você curte de leitura? Não deixe de passar pela Livraria Cultura e parar um pouco para ler aquele trecho do seu livro desejado. Nesta livraria de vários andares e estilo moderno, você também consegue tomar um café, comer alguma coisa e bater um papo com um amigo.

Livros para relaxar em algum sofazinho
Reprodução/Wikipédia

MASP – Museu de Arte de São Paulo

Esse é o conhecido MASP que é um museu privado sem fins lucrativos e considerado o mais importante de arte europeia do Hemisfério Sul. O acervo do MASP contém mais de 11 mil obras entre pinturas, esculturas, objetos, fotografias, vídeos e trajes de diferentes épocas que mostra a cultura de vários povos como o europeu, o africano, o asiático e o das Américas.

Outra coisa legal é que no vão do museu, você pode ver o Vale do Anhangabaú que faz parte do Centro Histórico de São Paulo.

O MASP tem uma arquitetura moderna e sóbria
Divulgação/MASP

Mirante do SESC Paulista

O SESC Paulista tem atrativos como exposições e diferentes atividades como peças e shows. O que mais chama a atenção neste lugar é o Mirante que fica no 17º andar, de lá é possível ter uma vista mais ampla da Avenida Paulista, desde o bairro da Consolação até o Paraíso.

Os ingressos para o acesso do Mirante são gratuitos e estão disponíveis até quando esgotarem. O início da liberação dos ingressos é na sexta-feira ao meio-dia.

Dica hospedagem na região:

Mercure São Paulo Jardins

Mercure São Paulo Jardins, hotel está próximo da Avenida Paulista

Transamerica Prime International Plaza

Vista dos edifícios em frente à piscina
Divulgação/Hurb

Grand Plaza São Paulo Jardins

Hidromassagem com vista para os edifícios da região
Divulgação/Hurb

3 – Edifício Martinelli

Esse já foi um dos prédios mais altos da América Latina e de São Paulo, sendo o primeiro mais alto da América do Sul. Hoje o terraço do edifício está aberto para visitação. A vista de lá é sensacional e você tem um guia que fala de detalhes e curiosidades da história desse edifício. A inscrição gratuitamente pode ser feita pelo site.

Martinelli foi um imigrante italiano sem recursos que conseguiu crescer financeiramente em São Paulo e realizou o sonho de construir o maior prédio da América Latina, o que na época causou terror no moradores locais que sentiam medo de uma queda do edifício.

Edifício Martinelli já foi o primeiro arranha-céu de São Paulo Divulgação/@edificiomartinelli no Instagram

Um ponto alto deste passeio é que você tem uma vista para todos os cantos da cidade de São Paulo e vai ver como grande ela é.

Dica de hospedagem na região:

Hotel Dan Inn Planalto São Paulo Classic Nacional inn

Caminhe aproximadamente 10 minutos do hotel até o Edifício Martinelli
Divulgação/Hurb

4 – Mercado Municipal

O Mercado Municipal está localizado no Centro Histórico, recebe quase 50 mill pessoas por dia. Lá você vai encontrar frutas, verduras, comidas, chás e diversos tipos de lojas para você conhecer. Aproveite para comer o famoso sanduíche de mortadela, mas saiba que vem bastante mortadela de recheio. Dependendo da sua fome, dá para dividir por dois.

Considerado o maior ícone gastronômico do país, o Mercadão, como também é chamado, recebeu a tocha olímpica no dia 14 de Julho de 2016, o que deu mais destaque para o lugar como um ponto turístico da cidade.

Mercado Municipal de São Paulo, vale uma visita
Divulgação/Mercadomunicipalsp

Dica de hospedagem e passeio:

Se você quer realmente ficar no Centro Histórico de São Paulo, recomendo a sugestão de hospedagem do tópico de cima. Caso você se hospede mais perto da Avenida Paulista, tem como ir até o Mercado Municipal e aproveitar para passar pelo Edifício Martinelli e oTeatro Municipal que estão bem próximos a pé mesmo.

5 – Bairro da Liberdade

Esse bairro é considerado a maior comunidade japonesa fora do Japão. Então aproveite as diversas lojinhas com coisas típicas do país asiático como quimonos, panelas e iguarias asiáticas importadas.

Caminhe pelas ruas que tem postes e decoração de luz no estilo japonês e passe por algum restaurante nem que seja para comer um Yakisoba, um sushi ou lámen.

Bairro da Liberdade em São Paulo é um reduto da cultura japonesa e asiática

Dica de hospedagem

Glória Plaza Hotel

Gloria Plaza está bem no bairro da Liberdade
Divulgação/Hurb

6 – Teatro Municipal

Só a fachada deste teatro já é um belo motivo para uma foto. Esse edifício histórico, que tem mais de 110 anos de história, recebe apresentações artísticas de várias categorias como dança, musical, teatro, exposições, entre outras. A construção do Teatro Municipal veio satisfazer o desejo da alta sociedade de assistir a espetáculos de grandes artistas da música lírica e do teatro.

Teatro Municipal de São Paulo
Interior do Teatro Municipal/Divulgação

Você pode agendar uma vista pelos diferentes espaços do edifício pelo site do lugar.

Essa região é bem no centro antigo da cidade. Cuidado ao caminhar por lá. Não fique mexendo no seu celular.

7 – Centro cultural da Caixa Econômica Federal

O Museu da Caixa Econômica Federal fica bem no Centro Histórico de São Paulo de frente à Praça da Sé. Existem diversos móveis, como máquinas de escrever, e outros documentos preservados que se referem à economia do país. Você vão poder dar uma olhada em ambientes antigos que eram escritórios administrativos da Caixa. Além disso, existem exposições artísticas e fotográficas espalhadas pelos andares do prédio.

Vista da Praça da Sé e da Catedral da Sé do edifício da Caixa Cultural

Máquinas e cadeiras de escritório antigas

Essa é região exige bastante cuidado ao passear por lá. Não mexa em aparelhos eletrônicos e não fique parado. Passe rápido pelas ruas, ainda mais se estiver desacompanhado.

8 – Parque da Luz

Essa região tem três atrativos próximos: o próprio Parque da Luz com seus jardins de estilo francês e italiano, a Pinacoteca de São Paulo que tem exposições de obras de arte e o Museu da Língua Portuguesa que aborda a riqueza cultural e do vocabular do idioma nacional.

Parque da Luz

Aqui você encontra diversas obras artísticas e pode até tomar um café em frente ao Parque da Luz
Pinacoteca/Divulgaçao

Museu da Língua Portuguesa, localizado na antiga Estação da Luz

Também não fique muito tempo parado nas ruas da região e tome cuidados com os seus pertences.

Vou deixar aqui uma dica de oferta para voo, hospedagem e café da manhã para São Paulo.

Vista aérea do Parque Ibirapuera
Divulgação/Hurb

Aqui vou deixar mais opções de hospedagem para você quer ficar em partes mais tranquilas de São Paulo e próximas do centro:

Blue Tree Premium Paulista

O hotel Blue Tree Premium Paulista está a uma quadra da Avenida Paulista
Divulgação/Hurb

Vila Galé Paulista

O hotel está próximo da Avenida Paulista e Rua Augusta

Braston Voa Business Hotel

A 800 metros da Estação de Metrô do Anhangabaú e perto de restaurantes, teatro e cinema

Como quase perdi no aeroporto a minha viagem para o Chile

Quem viaja de avião já sabe que o recomendado para chegar no aeroporto é de três horas de antecedência para voos internacionais. E eu acabei saindo de casa 15h00, sendo que a decolagem era às 17h45. Ainda assim, eu não imaginava que fosse chegar tão em cima da hora no aeroporto de Guarulhos porque a minha irmã tinha dito que levava uma hora até lá.

Bem na hora que eu estava indo para o metrô Bresser de carro por aplicativo, a chuva começou a fazer o trânsito ficar mais demorado ainda. São Paulo não pode ver uma chuva que já tem congestionamento.

Quando cheguei no aeroporto já era mais de 16h30. Imagina só, então comecei a andar rápido em direção ao meu guichê já falando que eu estava em cima da hora para a atendente. Sorte que, nessa parte, não tinha fila. O perrengue estava me esperando depois da passagem das viagens internacionais.

Ah, só para localizar mais você, tem post dessa viagem aqui. E aí eu já estava com medo de perder o voo porque sabia que ainda tinha umas filas para passar e se tivesse muita gente esperando, eu não ia conseguir chegar no avião a tempo.

Meu Deus do céu, eu deveria ter ido mais cedo sem me importar em pagar um pouco a mais no Uber que estava cobrando bem mais caro que o normal por causa da chuva. Ainda mais que já tinha tido a frustrante experiência de perder um voo na Colômbia.

Depois que fui atendido no check-in, passei por aquela parte chiquérrima dos embarques internacionais. Estava com saudades de fazer aquilo. Entrei contente pelo recinto com a minha malinha de mão e a minha mochila.

Quando chego na fila para fazer o raio-x, veio o susto. Umas 35 pessoas estavam na fila para passar pelo que parecia ser somente uma esteira. Aí comecei a me debater já ali mesmo. A única saída foi andar até o começo da fila e implorar para a pessoa deixar eu passar na frente dela. Se ela não deixasse, o mico ia ser todo meu. Teria que continuar pedindo para furar fila até alguém deixar.

Chamei a moça que a era próxima de vez:

– Ei… – Ela hesitou um pouco, mas eu insisti.

– Ei, você pode vir aqui um minutinho? – falei rápido e aí ela veio meio reticente ou desconfiada.

– Oh, moça, você poderia deixar eu passar na sua frente? É que o meu voo é daqui a minutos, por favor… – Fui mostrando a minha passagem de embarque.

– Ah, sim, por mim não tem problema…

– Muito obrigado, muito obrigado – agradeci já mais aliviado.

Na frente desta moça, tinha outra amiga dela que viu o meu desespero e me deixou passar também.

Uma coisa que atrapalhou para sair logo da fila foi colocar o meu cinto da calça de volta porque o detector de metais apita com esses materiais. Na hora de colocar o meu cinto de novo, ele não estava encaixando, estava emperrando.

Aí, eu simplesmente deixei ele de lado e guardei na bolsa. Eu ganhei uns quilos. Então sabia que não ia passar vergonha de ver minha calça cair no meio do aeroporto.

Fui passando pelo corredor gigante que tem as salas de embarques e adivinha onde que era a minha? Bem no último portão, nem deu para dar uma olhadinha naquelas lojinhas.

Cheguei apressado no portão de embarque e já tinha pessoas entrando. Nessa hora, já fiquei bem mais tranquilo porque não tinha mais risco de perder o meu tão esperado voo para Santiago.

Aqui eu sentadinho no meu lugar no avião. Bem tranquilo. Voo garantido para Santiago? Sí, señor

Como é Playa del Carmen, no México

A cidade de Playa del Carmen, no estado de Quintana Roo, na península de Yucatán, no México, é um paraíso litorâneo com águas claras de tons azuis ou esverdeados com temperaturas amenas. A praia está em frente a diversos hotéis, lojas, restaurantes e demais comércios que deixam a vista elegante. De Cancún, o percurso dura aproximadamente uma hora de carro ou perua (espécie de minivan), que você encontra fácil no centro.

Esse destino acaba sendo uma opção mais viável se você gosta de ir para os lugares a pé, fazer compras e ter diversas opções de alimentação na beira da praia. Enquanto Cancún é ideal para quem vai fazer tudo de carro, Playa del Carmen convida o viajante a andar tranquilamente com acesso fácil para o comércio e o mar. A Quinta avenida é a principal via para se fazer um passeio que te deixa perto tanto da praia quanto dos restaurantes, shopping, lojinhas de conveniências e até hospedagens. Se você tem mais dias, eu recomendo que fique nessa cidade.

Vou dividir Playa del Carmen em duas partes em relação ao porto principal: lado esquerdo, sendo a parte que eu considero ideal para aproveitar a urbanização, enquanto o direito é perfeito para desfrutar a vida no melhor da praia. Se você quiser pegar um barco de Playa del Carmen até a ilha Cozumel ou Isla Mujeres, pesquise antes por umas três empresas que fazem o trajeto. Quando eu fui, a empresa com o valor mais vantajoso foi a EasyJet.

Avenida Benito Juarez, lado direito do porto e praia mais paradisíaca

Se você quiser encontrar o mar em um de seus melhores momentos, o ideal é ir para a praia na parte da manhã, quando as águas estão tranquilas, transparentes e o clima não está tão quente, principalmente no verão que começa em junho no México, por estar no hemisfério norte. A parte mais bonita dessa praia está localizada no lado direito do porto que recebe as embarcações para a ilha Cozumel e Isla Mujeres. Depois de passar pelo porto, uma caminhada de uns 10 minutos já vai fazer você se deparar com o melhor de Playa del Carmen, note que essa região é chamada de Playacar, você pode caminhar livremente por lá, no entanto, a parte urbana é privada, a não ser que você esteja hospedado nessa região, não é permitida a circulação pelas ruas do condomínio, que têm hotéis luxuosos e lindas casas de frente para o mar, que deixam ainda mais interessante a vista sem tirar a beleza da natureza.

Outra maneira de se localizar facilmente para chegar em Playacar, é descer totalmente a Avenida Benito Juarez. No fim dela, você vai ver uma praça e em frente estará o porto. Aproveite para passar em alguma lojinha perto para comprar uma ou várias lembrancinhas. Você também vai encontrar no caminho diversos mercadinhos e lanchonetes, que podem ser úteis na hora da fome. Inclusive, caso você precise trocar os seus dólares ou reais, também vai achar casas de câmbio com uma boa cotação. Não troque no aeroporto, que tem as cotações mais altas. Pesquise umas três casas de câmbio antes de decidir qual é o melhor câmbio do dia.

Avenida Benito Juarez: diversas conveniências estão disponíveis no trajeto até a beira do mar em Playa del Carmen
Arquivo pessoal
Praça próxima ao porto principal de Playa del Carmen. Xô nuvens cinzentas! Eu quero aproveitar o verão
Arquivo pessoal

Playacar é realmente um paraíso. A sensação relaxante, o mar azul-claro, as ondas fraquinhas na manhã e o sol mais ameno deixam o seu dia sensacional para aproveitar essa praia. Se você puder levar o seu próprio guarda-sol, vai ser bom, porque não existem opções de aluguel e os lugares que fazem sombra são escassos, assim como o comércio que não existe nessa região. De vez em quando, aparecem algumas pessoas vendendo alguma coisa para beber ou comer. Outra informação é que algumas mulheres (não é frequente) fazem topless, não sei se isso deixa desconfortável para quem leva criança.

Dá para acreditar nessa manhã em Playacar?
Arquivo pessoal

Olha para isso, esse é um dos meus dias amenos em Playa del Carmen, na região de Playacar
Sol, mar azulado e brisa. Quer mais ou está pouco?
Arquivo pessoal

Lado esquedo do porto

Aqui é onde você consegue ter aquele seu momento mais consumista. Nesse lado, você encontra lojas de perfume, de diversas marcas esportivas, um shopping bem moderno que vende até produtos da Apple (ótimo para pagar bem mais barato do que no Brasil), entre outros. A praia por lá também é boa, mas não tanto quanto Playacar, que é menos cheia e agitada no sentido de curtição de música e badalação.

Melhor região para se hospedar

Escolher uma hospedagem próximo da avenida Benito Juarez é uma junção do melhor da parte urbanizada e da praia. Você vai ficar próximo do Walmart e demais conveniências caso precise comprar coisas para cozinhar e também vai estar perto para se jogar em Playacar. Quando aproveitei essa região ficando por lá, me hospedei no hostel La Tequilita, que mudou totalmente e hoje se chama Izla Suites. Caso você queira algo mais glamourizado, não vão faltar opções na mesma rua, que está a poucos passos da famosa Quinta Avenida.

Quinta Avenida

Em Playa del Carmen no Natal, a Quinta Avenida fica repleta de decorações natalinas dignas de várias fotos. Se não for a época, tem muito o que aproveitar por esse calçadão que tem lojas de conveniências enormes (uma até tem um fusca colorido para tirar fotos), restaurantes com música e até mesmo hostels. Não tem como não conhecer esse trajeto icônico.

Cor é o que não falta no México
No Natal é quando a Quinta Avenida fica mais bonita
Arquivo pessoal

Playa del Carmen tem seus lugares mais requintados com os preços altos, mas também não deixa na mão quem está fazendo uma viagem de baixo custo. Existem hospedagens e hotéis para todos os bolsos. Logicamente, para se alojar, os preços elevados são daqueles opções que ficam na beira da praia ou muito perto da quinta avenida. O mesmo pode ser considerado para a alimentação. Se você quer encontrar algo que caiba no bolso, não vai precisar andar muito. Umas duas ou três ruas atrás da Quinta Avenida já deixa os valores mais baixos. Considerando que o México não é país um caro, também vai depender do seu planejamento financeiro e do quanto está disposto a gastar com o básico e os mimos. Eu não senti os valores serem altos, até porque procurei opções em conta e comprava comida para cozinhar no hostel.

Uma coisa legal que você encontra na praia são as macas de massagem. Diversos massagistas ficam disponíveis para o serviço ali mesmo na areia. Se puder, se planeje para uma massagem dessas. Outra coisa curiosa é que diversos hotéis na orla deixam camas elegantes e espreguiçadeiras para os seus hóspedes relaxarem. Nunca tinha visto isso antes. O público em geral que passa por lá, dá de cara com essa estrutura. E mais uma curiosidade: à noite, na Quinta Avenida, você encontra os famosos mariaches, aqueles homens de sombreiro enorme e vestidos de roupas tradicionais com os seus instrumentos musicais para entoar alguma canção típica.

Segurança

No quesito segurança, eu não vi problemas, porém não recomendo abusar. A maioria das vezes que saí à noite, eu estava acompanhado. Essa região que descrevi, perto do Wallmart, Avenida Benito Juarez e Playacar são seguras. Na alta temporada, o policiamento é mais forte. Porém, se você vai para um lugar afastado, é preciso cautela. Não andar tarde da noite e sozinho em locais distantes não é prudente em qualquer lugar do mundo. Seguindo todas essa minhas dicas, Playa del Carmen vai ser uma viagem encantanda!! Aproveite! Sinto saudades desse lugar! Um dia vou voltar.

Como é a cidade supercolorida de Guatapé na Colômbia?

Guatapé é uma pequena cidade na Colômbia, a uma hora de Medellín. Lá você vai se deparar com um convite para relaxar na natureza e apreciar a animação da cores das construções. Além disso, entre os morros verdejantes e a represa, as ruas desse vilarejo demonstram muito estilo e vida.

Assim que você chegar, fica fácil de encontrar um estabelecimento público, perto da praça central, que distribui mapas da região e auxilia o turista com informações pertinentes aos atrativos do lugar. O passeio a pé é bem-vindo.

Praça Zócales em Guatapé, na Colômbia. Aqui você vai ver muita cor e arte que se derramam pela cidadezinha

O centro dessa cidadezinha é colorido e cheio de opções para comer e beber. Caso você prefira uma vista da represa na hora da refeição, restaurantes perto não vão faltar. Os preços não são caros, é possível comer algum prato típico saboroso sem comprometer o bolso.

Uma ruazinha de Guatapé mostra como existe alegria nas ilustrações no interior da Colômbia
Arquivo pessoal

Para visualizar algumas ilhas e mansões, é preciso pegar um barco que faz o tour que dura aproximadamente uma hora. Passear pela represa navegando, irá revelar algumas histórias que estão ligadas aos problemas sociais do país.

Se você preferir dormir na cidade, existem opções de hospedagem fáceis de serem encontradas perto do centro e nas ruas em volta.

Essa é represa da cidade. Não faltou chuva, né? É aqui que você consegue fazer um passeio de barco, que eu altamente recomendo
Arquivo pessoal

Deixei a minha mochila no canto e fui tirar a minha foto na natureza. Respirar um ar mais puro combinou com uma boa caminhada

Quem quiser ter mais contato com a natureza poderá ir caminhando do centro da cidade até El Peñol, uma pedra gigantesca com 659 degraus. É preciso de tempo para chegar até o topo. A pedra chama a atenção por sua altura, são 2.135 metros. Para quem preferir transporte, existem pequenos veículos no centro de Guatapé que levam até essa pedra.

E para terminar com chave de ouro, essa é gigantesca pedra El Peñol no começo da cidade, mas que recomendo deixar para visitar por último
Reprodução: Jouney Era

O transporte de Medellín até Guatapé é fácil, somente é preciso pegar um metrô até a estação Caribe. De lá vá até o terminal Norte, nele é possível pegar um ônibus que parte para a cidadezinha colorida.

Como é o centro da cidade de Cochabamba, na Bolívia?

O centro da cidade de Cochabamba na Bolívia foi uma surpresa para mim. Hoje eu vou mostrar essa região com as suas lindas praças presenteadas por um trabalho de jardinagem, que eu vi em poucos lugares. Outro lugar para conhecer também é o lago La Angostura.

Faria fácil um quadro com uma paisagem urbana dessas repleta de flores
Arquivo pessoal

Diversos estudantes brasileiros vão para Cochabamba por causa dos valores mais acessíveis dos cursos de Medicina. Ao andar pela cidade, você percebe uma vida universitária pulsante. Nas praças é muito comum ver jovens e famílias simplesmente passeando à noite sem nenhuma preocupação.

Olha o trabalho da podadura. Merece uma foto, né
Arquivo pessoal

Os preços dos restaurantes, do transporte e da hospedagem são acessíveis, porém existem também as opções mais luxuosas que têm os seus valores informados em dólares. Quem gasta pouco aproveita e quem gasta mais também. No caso das praças, todo mundo que tiver disposição para caminhar por lá, vai aproveitar o programa sem custo.

A cidade de Cochabamba tem uma parte mais movimentada, mas esse lado é ideal para quem quer descansar e apreciar a vista
Arquivo pessoal

Para fechar o fim do dia, depois do pôr do sol, o Lago Angostura é uma ótima parada, quando começa a escurecer, você pode ver as luzes das casas refletindo na água. Caso você tenha disposição, é até possível fazer uma corrida. Só não se esqueça que o fôlego tem que ser dobrado, por causa da altitude da cidade de 2570 metros acima do nível do mar.

Depois das praças no centro, o Lago Angostura é uma parada linda para terminar o passeio. Só não esqueça de levar uma blusa
Arquivo pessoal

Conhecendo a Laguna Llanganuco, no Peru, em Huaraz

O Lago Llanganuco fica na cidade de Huaraz, região norte do Peru. Esse foi um dos lugares que mais me surpreendeu pelas belezas naturais inesperadas. A água de cor azulada do lago chama a atenção dos visitantes. Em volta, você encontra duas montanhas enormes que dão uma grandiosamente para a vista. A natureza mostra como pode ser diversa em lugares remotos.

O começo do dia estava meio fechado na Laguna Llanganuco, porém o sol apareceu depois

A paisagem, que está localizada dentro do Parque Nacional Huascarán, tem uma exuberância observada em poucos lugares

Para chegar até o Lago Llanganuco, é preciso contratar um tour em uma agência de viagens no centro da cidade de Huaraz. O lugar é pequeno, você consegue caminhar por lá tranquilamente e encontrar uma agência sem precisar de muito tempo. Uma dica importante: pergunte quais os gastos que não estão inclusos no valor do passeio. No meu tour desse dia, as entradas dos lugares não estavam inclusas. Caso você esteja de carro, também consegue chegar por conta própria.

Esse dia foi um dos mais divertidos da minha viagem. Eu acabei caindo em tour de um grupo de mulheres animadíssimas de Lima. Fizemos amizade e fui praticamente adotado naquele dia. Amei.

Existem diversas opções de passeios em Huaraz. Eu escolhi o Lago Llanganuco por conta da raridade de se encontrar um lago com uma água tão azul, tornando o cenário fascinante. Não me arrependi, ao contrário. Nas duas montanhas, em volta do Lago Llanganuco, persiste uma lenda contando que cada montanha eram duas pessoas apaixonadas.

Caso você queira, tem até a opção de fazer um passeio de barco pelo Lago LLanganuco

Você conhece Guaiaquil, no Equador?

O Equador é um dos poucos países da América do Sul que não faz fronteira com o Brasil. A cidade de Guaiaquil é a mais populosa do país e está localizada a quase uma hora do litoral. A moeda oficial é o dólar, então não fica muito bom para quem quer economizar neste momento. O centro tem uma praça na orla do rio Guayas, o que deixa o passeio bonito.

Um dos passeios bons de se fazer em Guaiaquil é pela beira do rio, onde está próximo o porto Santa Ana. Com poucos passos, você vai ver até uma roda gigante que proporciona uma vista panorâmica. Além disso, a escada com 444 degraus, perto da orla, que leva para o alto da região de Las Peñas, também é um programa para não perder.

Centro de Guayaquil no fim da tarde

O centro de Guaiaquil oferece uma bela vista do rio e uma visita por alguma lojinha de conveniência ou lanchonete ali perto. Nos fins de semana, à tarde, essa região fica efervescente. Não recomendo passear por lá muito tarde, nem em qualquer lugar, porque pode se tornar menos seguro.

Aqui sou eu olhando para os monumentos

O monumento acima representa a reunião entre os líderes Bolívar e San Martín. O encontro teve como propósito a libertação de vários países da América que estavam sob o domínio espanhol. O episódio é lembrado como a Conferência de Guayaquil.

Ao se aproximar do entardecer, as luzes começam a dar um ar mais elegante para essa parte da orla, também conhecida como Malecón. A roda gigante se tornou um dos pontos turísticos de Guayaquil desde 2016, quando eu estava na cidade.

Essa roda gigante está bem na beira do chamado Malecón no centro de Guayaquil

Andando mais um pouco para o lado esquerdo da orla, bem depois da roda gigante, você encontra outro ponto para conhecer: o bairro Las Peñas.

Esse é começo do caminho para o topo do morro de Las Peñas. Quando você chegar lá em cima, terá uma vista bem ampla da cidade. Vale a pena subir todos os 444 degraus. Você só não pode ter pressa.

Depois de um exercício físico, é essa a vista que você consegue no topo de Las Peñas à noite.

Vista noturna do bairro Las Peñas, na cidade de Guayaquil

Como é o centro de Cusco, no Peru

Cusco é uma pequena cidade conhecida por receber os muitos viajantes que vão para lá como uma parada até Machu Picchu. As diversas opções de transporte até as famosas ruínas incas é o que torna o lugar tão cheio de gente. Além disso, a praça principal chamada de “Plaza de Armas” tem um trabalho de jardinagem bonito e é cercada de comércios como lojas, agências de viagem, restaurantes, hostels e hotéis. Os museus também não ficam de fora.

Pelo o que eu me lembre, cheguei por em Cusco em meados de outubro. De dia faz um sol agradável, porém leve a sua jaqueta para passear à noite, pois o frio se faz presente.

Primeiro dia em Cusco e já fui tirar a minha foto em frente à fonte da Plaza de Armas

A jardinagem em Cusco é um exemplo de elegância em uma praça tão bonita e conservada em pleno centro da cidade
Fim de tarde na Plaza de Armas no centro de Cusco, o friozinho já começa a aparecer

Próximo do centro, fica o mercado principal. Lá você encontra diversas lojinhas para comprar lembranças. Na hora da fome, os pratos típicos são um ponto forte do local. Os preços dos cardápios são bem convidativos.

Além de Machu Picchu, existem diversos passeios que ficam próximos da cidade. Não vão faltar pessoas para te oferecem pacotes turísticos para diversos locais. Para Machu Picchu, eu não recomendo o transporte de van, é muito cansativo e me deixou muito tonto por causa da altura. É melhor se planejar para ir de trem. Para esse trajeto, realmente não compensa economizar.

Dá para comprar a entrada de Machu Picchu em um museu da cidade. Agora não estou lembrando qual museu foi, mas, se você entrar em um museu e perguntar onde vendem o ingresso para Machu Picchu, vão te informar.

Arredores da Plaza de Armas à noite

Próximo da Plaza de Armas tem a Avenida El Sol, imperdível para dar uma passeada. Lá você encontra algumas esculturas e artes que remetem aos incas. Existe também um museu nessa avenida. A caminhada por essa região não é muito longa.

Praça perto um chafariz com um muro artístico na Avenida El Sol
Frente do Chafariz na Avenida El Sol e o friozinho começando a aparecer
Vista atrás da quedas das águas no chafariz

Praça no meio da Avenida El Sol

Parede com artes de personagens históricos do Peru

Existe uma variedade de museus espalhados por Cusco. Mas, como estou falando da Avenida El Sol, vou mostrar a vista da região que eu tive ao visitar o Museu do Monumento Inca Pachacutec. Lá você encontra diversas artes e instrumentos usados antigamente pelo povos antigos.

Vista da Avenida El Sol de um dos museus de Cusco, o Monumento Inca Pachacutec