5 lugares para viajar ainda neste outono

Apesar do frio que já está começando a mostrar as caras, tem como passear por diversos lugares antes do inverno oficial chegar. A empresa Startup Tripsz, que conecta viajantes a agências de excursões de ônibus, fez um levantamento dos destinos mais buscados no outono, estação que vai até o dia 21 de junho, apesar de parecer que essa estação já acabou em São Paulo e mais algumas regiões do Brasil.

Veja abaixo 5 lugares para viajar no outono:

Jalapão, em Tocantins

O Jalapão é um destino propício para conhecer no outono por conta do ecoturismo e temperatura mais amena quase sem chuva da cidade. O Parque Estadual, uma das principais atrações, é um cenário à parte. As dunas e o pôr-do-sol se fundem em uma pintura natural. Os fervedouros, poços com águas cristalinas são imperdíveis para a sua visitar e postar uma foto no Instagram.

Não deixe de visitar os fervedouros como o Rio Sono
Instagram/@tamirismendes_arq

Esse destino também é muito procurado para a prática de ecoturismo como canoagem, rafting, rapel e trilhas que podem ser feitas de bicicleta ou a pé. Outro destaque é a trilha do Morro Vermelho com formações rochosas bem diferentes e avermelhadas.

Monte Sião, em Minas Gerais

A cidade de Monte Sião tem uma natureza exuberante e gastronomia regional que agrada. Além disso, a Festa do Peão é considerada o melhor rodeio do Sul de Minas Gerais, que acontece todo mês de março. Aproveite a fabricação de porcelanas nas cores azul e branca para decorar a sua casa.

Praça na cidade
Divulgação/Gran Concursos Online

Cunha, em São Paulo

A cidade de Cunha fica localizada no Alto Vale da Paraíba em São Paulo. No outono a região começa a transmitir um charme por causa da natureza que está rodeada de montanhas e verde.

O passeio que você não pode deixar de fazer é no lavandário. Lá você observa o campo de diversas espécies de lavanda e ainda consegue aproveitar a vista do vale.

Para quem gosta de uma ecotrip, a trilha que leva à Pedra da Macela também é um dos atrativos. Se prepare para os 5 km (ida e volta) que vão te levar para uma vista de 1.840 metros de altitude, sendo possível até avistar a cidade de Paraty (RJ).

Lavandário no fim de tarde com o pôr do sol é uma parada obrigatória
Divulgação/Instagram @vmiura

Serra Negra, em São Paulo

Se você curte passear em parques e ver fontes de águas naturais, Serra Negra é uma opção imperdível, localizada a 104 km da capital de SP, a cidade faz parte do Circuito das Águas e possui diversos espaços verdes para aproximar o turista do campo.

Entre os lugares que você pode visitar estão:

  • Parque dos Macaquinhos;
  • Fonte Santo Agostinho;
  • Parque Represa Dr. Jovino Silveira e
  • Teleférico, cartão-postal da cidade, que garante uma vista panorâmica da região a quase mil metros de altura.
Vista natural de Serra Negra
Divulgação/Instagram @visiteserranegra

Jundiaí, em Sao Paulo

A cidade está na época da colheita da alta produção de uva e morango e possui atrações como a Rota Turística do Vinho e o Parque da Uva, com adegas para degustação de vinhos e licores.

Aproveite o Circuito das Frutas na região, um roteiro turístico que integra as dez cidades nos arredores da capital paulista que se destacam pela produção de frutas de mesa: Atibaia, Indaiatuba, Itatiba, Itupeva, Jarinu, Jundiaí, Louveira, Morungaba, Valinhos e Vinhedo.

Vista da cidade de Jundiaí
Divulgação/Oi Menu


Aproveite as facilidades do aplicativo de viagem Tripz

No aplicativo Tripsz, disponível para Android e iOS, é possível comparar preços de mais de 60 agências de turismo com excursões para diversos destinos. O app também oferece benefícios como cashback (dinheiro de volta) e melhores formas de pagamento que incluem Pix, cartão de crédito e boleto.

Como foi passear pelo centro de San José, na Costa Rica

Na segunda vez que visitei San José, na Costa Rica, país que fica na América Central, vi novidades que eu não tinha percebido antes. O centro de San José é pequeno, mas suficiente para um passeio casual.

No centro de San José, no Museo del Jade, você poderá ter mais contato com a história do país pelos vestígios arqueológicos. Perto está o Museu Nacional da Costa Rica que conta a história do país desde a época pré-colombiana, ou seja, antes da chegada de Colombo.

Museu del Jade bem no centro da Costa Rica

No dia que passei por lá, o clima estava um pouco frio e até meio nublado nas montanhas que rodeiam a cidade. San José não é uma cidade com muitos atrativos turísticos, então não tem porque ficar muitos dias por lá, sem contar que o preço das coisas são caros. Evite pegar o táxi em horários de pico, pelas 17h00, porque o trânsito, como toda cidade grande, pode deixar ainda mais cara a sua corrida.

O ponto forte da Costa Rica são as praias, para isso, existe a opção de ir para a cidade de Puerto Viejo, que tem diversas praias lindas. Tem também mais cidades com atrativos naturais exuberantes como o Parque Nacional Manuel Antonio e o Parque Nacional Volcan Tenório que também são outro ponto forte do país.

Aproveite para ir no Jardim Botânico Lancaster que fica perto de San José, na cidade de Cartago, a uma hora da capital.

Museu Nacional da Costa Rica, e o clima insistindo com as nuvens. Nada que uma jaqueta jeans não resolva

Exposição do corpo humano em plena praça no centro

Obra de arte inspirado no formato humano

Passeando pelos arredores do centro de San José
No andar inferior desta praça tem mais um espaço com exposições
Praça no centro com bandeira esvoaçando no fundo

Dica de transporte

Se você está chegando pelo aeroporto, mande um e-mail para o seu hostel ou hotel para que te mandem as opções de transporte disponíveis. Além do táxi, existem ônibus que passam em frente ao aeroporto que vão para o centro e não custam caro. Sempre evite o horário de pico para fugir do congestionamento.

Florianópolis: 7 praias lindas da região norte da ilha

A ilha de Florianópolis, localizada no estado de Santa Catarina, no sul do Brasil, é repleta de praias muito bonitas. Se você vai se hospedar ou até morar na região norte da cidade, precisa conhecer melhor o que te de bom nas proximidades.

Eu morei por mais de um ano no bairro dos Ingleses. Por causa da localização, consegui visitar diversas praias do norte de Floripa que tem as águas mais mornas em comparação às praias de outras regiões.

Você pode se hospedar no bairro dos Ingleses ou de Canasvieiras, por exemplo. A Praia Brava e a do Santinho ficam mais perto dos Ingleses. Enquanto a Praia da Daniela, do Forte, Lagoinha da Ponta das Canas e Santo Antônio de Lisboa ficam mais perto de Canasvieras.

Na região norte, já vai dar para explorar todas essas praias sem percorrer longas distâncias.

Vamos pela ordem, da mais bonita, na minha opinião:

1 – Praia da Daniela

A Praia da Daniela é a primeira da lista porque eu gosto da água mais morna e das poucas ondas que o mar de lá tem, o que se torna uma ótima opção para levar as crianças. Aproveite para mergulhar sem se preocupar com as fracas ondas.

O fim de tarde é presenteado com um bonito pôr do sol que não é o mais bonito de Floripa, mas tem o seu destaque. Leve um guarda-sol resistente porque o vento lá bomba. Teve uma vez que o meu guarda-sol fraquinho voou lá para atrás no mato e aí eu tive que buscar. Fui obrigado a desbravar aquela mata e me arranhei um pouco.

Qualquer coisa, tem como alugar cadeira e guarda-sol. Dependendo da época, o valor pode ser de R$ 10 a R$ 20 cada um. Em todas as praias você encontra esse serviço.

Dia de sol no mar da Daniela

Ah, se você quer evitar o trânsito em datas mais movimentadas, chegue cedo e saia por volta de umas 14:30 ou 15h00. Acredite, o trânsito nessa região e em qualquer parte de Floripa não é brincadeira.

Se você não for levar a sua comida, então saiba que vai ser preciso esperar um tempo a mais para ser atendido por causa das poucas opções de restaurantes da região.

Fim do dia em Daniela

Dica de hospedagem

O centro da cidade de Floripa não fica perto de nenhuma praia bonita e ainda mais longe do norte da cidade. Evite se hospedar por lá.

Vai ficar mais fácil chegar na Daniela se hospedando em Jurerê Internacional:

Jurerê Beach Village

Hurb/Divulgação

2 – Lagoinha da Ponta das Canas

Essa foi uma bela surpresa. Eu nunca tinha visto essa praia na lista dos blogs por aí. Você gosta de água morna, areia extensa e pedras nos cantos? Então é lá que você tem que ir. As águas da Lagoinha da Ponta das Canas são cristalinas. Pelo menos quando eu fui eram. As ondas bem tranquilas e o tom claro já deixa o visual do mar mais encantador.

Canto direito da Praia Lagoinha da Ponta das Canas

Essa região é bem residencial, então leve o seu lanche ou sua refeição. Na realidade, em épocas mais agitadas, sempre recomendo levar a sua comida por causa dos preços absurdos praticados pelos comércios e até mesmo comerciantes ambulantes.

Na parte esquerda da praia, tem um pequena trilha, um mirador e pedras

Dica de hospedagem

Essa opção está em Ponta das Canas, próximo da Lagoinha da Ponta das Canas:

Residencial Apart Hotel Carolina

Hurb/Divulgação

Hotel Costa Norte Ponta das Canas

Hurb/Divulgação

3 – Praia do Forte

Esse lugar é um pouco afastado, mas é mais tranquilo se você não gosta de tanta muvuca. O mar tem uma das águas mais quentes em comparação às das praias que já visitei. Ah, só para destacar, em nenhuma praia de Floripa existe águas mornas fora do verão, viu.

A Praia do Forte tem ondas tranquilas, uma boa faixa de areia e uma parte histórica. O fim do dia pode te apresentar um pôr do sol com uma paisagem inesquecível. Essa praia está perto de Daniela e Jurerê Internacional, que apesar de ser bem conhecida e com casas de alto padrão, não me chamou a atenção.

O dia não estava de muito de sol na Praia do Forte
Fim do dia compensou a visita na praia

Dica de hospedagem:

IL Campanario Villaggio Resort – Bairro de Jurerê Internacional

Hurb/Divulgação

4 – Ingleses

O melhor lugar desse balneário é no cantinho direito perto da plataforma de madeira. Lá você vai encontrar águas transparentes na cor esverdeada. Vai depender de como está o calor para a temperatura da água estar agradável. Por ser uma região disputada em dias mais movimentados e com faixa de areia menos extensa, chegue mais cedo. Tem também umas dunas por lá que dá para tirar belas fotos.

Águas cristalinas no canto direito da Praia dos Ingleses
Dunas da Praia dos Ingleses
Morei mais de um ano perto deste paraíso no verão, porque depois é só água fria

Essa foi a praia que mais frequentei por causa da proximidade de onde estava morando e fica do lado da praia do Santinho que tem águas frias, isso quando não estão geladas. O que vale a pena por lá é a paisagem mesmo.

Paisagem da Praia do Santinho, considerada uma das mais limpas do Brasil

Dica de hospedagem

Bairro dos Ingleses:

Ingleses Park Hotel

Hurb/Divulgação

Ingleses Praia Hotel

Hurb/Divulgação

Bairro do Santinho

Costão do Santinho

Hurb/Divulgação

5 – Canasvieiras

A praia da Canasvieiras está em um bairro mais organizado, tem uma faixa de areia extensa que foi ampliada e um mar lindo em dias ensolarados. As águas podem estar azuladas, dependendo do dia. As ondas são um pouco mais agitadas, mas nada muito exagerado. Ali você consegue ficar bem se estiver com um bom guarda-sol que aguente rajadas fortes de vento.

Existe uma oferta diversa de bares e restaurantes na beira da praia para você se deliciar. O centrinho do bairro tem diversos comércios, lojinhas e restaurantes. Aproveite para comprar alguma lembrancinha nas lojinhas de artigos “dos bolivianos”.

Sol bombando perto na plataforma, também chamada de trapiche, em Canasvieiras
Uallll. Pôr do sol deslumbrante em Canas, apelido de Canasvieiras

A noite chegando com tons laranjas no céu em uma das tardes no bairro

Dica de hospedagem:

Mar de Canasvieiras Hotel e Eventos

Hurb/Divulgação

Pousada Tissiano

Hurb/Divulgação

Tropicanas Hotel

Hurb/Divulgação

6 – Praia Brava

Nesta praia, eu fui todas às vezes através de uma trilha que começa no fim da Praia das Gaivotas, que fica no final esquerdo no bairro dos Ingleses. A trilha demora em torno de 1h30, o que varia conforme a sua disposição. No caminho da trilha, você consegue ver uma paisagem deslumbrante com vista para o mar, pois o caminho é aberto para o oceano.

Vista no caminho da trilha da Praia das Gaivotas até a Praia Brava

Na própria Praia Brava você encontra um mar com várias ondas de força fraca ou média. As águas podem estar em uma temperatura boa para mergulhar no verão e terem uma cor transparente mais para o tom azul.

Essa região é mais isolada e repleta de casas e condomínios de médio e alto padrão. A disponibilidade de comércios é bem limitada, porém você ainda encontra um mercadinho no centrinho do bairro.

Tarde ensolarada na Praia Brava

Existe o passeio de parapente, aquele que parece com paraquedas. O atrativo você encontra na praça Emília Grattoni Gomes.

Dica de hospedagem

A Praia dos Ingleses está perto da Praia Brava se você vai de carro, então uma hospedagem por lá acaba sendo mais atrativa pelas opções de comércios, lojas e restaurantes bem mais diversa.

Costa Norte Ingleses Hotel

7 – Santo Antônio de Lisboa

Você ficou o dia inteiro na praia e agora quer um reduto de restaurantes para comer frutos do mar ou diversos pratos? Então vá em Santo Antônio de Lisboa, lá tem diversas opções gastronômicas para provar.

Santo Antônio de Lisboa de fato não é atrativo para se banhar. A areia é cheia de pedrinhas e o mar menos convidativo por ser mais frequentado por barcos de pescadores.

Mas você pode aproveitar a vista lindíssima do final da tarde para admirar o pôr do sol espetacular que é o grande ponto forte de lá. Não deixe de se deliciar com os comes e bebes em algum bar/restaurante por ali.

Sol dando os seus últimos brilhos no dia em Santo Antônio de Lisboa

Não muito distante para a direita, tem a Praia de Sambaqui que é quase no mesmo estilo de Santo Antônio de Lisboa. Se você tiver com um tempo sobrando, dê um pulo por lá no fim do dia.

Sol se despedindo na Praia de Sambaqui

Dica de hospedagem

Essa região fica mais perto de Canasvieiras, por isso é melhor procurar uma opção por lá.

Mais lugares para se hospedar na região norte de Floripa:

Belluno Apart Hotel – Praia Cachoeira do Bom Jesus

Hurb/Divulgação

Hotel Porto Sol Beach – Praia Cachoeira do Bom Jesus

Dica de pacote de viagem para Floripa:

Florianópolis: Aéreo + Hospedagem + café da manhã

Divulgação/Hurb

Como é a Praia do Forte em Florianópolis

A praia do Forte em Florianópolis tem águas mais mornas e claras, ondas tranquilas e está localizada na região norte da ilha, do lado das praias de Jurerê Internacional e de Daniela. Você pode aproveitar para relaxar sem estar no meio da muvuca, pois o local tem um acesso menos fácil por estar praia meio isolado. Porém, caso você queira sentar almoçar ou comer algum petisco, também tem opções de restaurantes por perto.

Apesar do acesso não ser tão prático por causa de uma única via para descida e subida de carros, é claro que na alta temporada do verão, você sempre vai encontrar as praias de Florianópolis lotadas, ainda mais nos dias festivos e final de ano. Fora dessas datas, a praia do Forte não conta com muitos frequentadores que deixam a faixa areia aglomerada.

Tarde de verão em Floripa

O que eu mais gostei desta praia foi a água mais morna e as ondas mais tranquilas, o que é uma dádiva em comparação às outras praias de Floripa que podem ter águas frias ou geladas e ondas arrasadoras dependendo do dia.

Ondas do tipo “piscininha, amor” kkk

No canto direito, tem algumas pedras que você pode aproveitar para tirar suas fotos. Também o famoso forte está perto e é um resquício da história de Floripa. Se você preferir, pode visitar o lugar que é um museu.

Tire um tempinho para essa parada histórica

A paisagem no fim do dia nessa praia foi uma das mais bonitas que já presenciei, olha só esse céu na chegada da noite.

Lindo

Já que estou falando da Praia do Forte, não custa nada mostrar um pouco também de Jurerê Internacional que fica grudada. Eu particularmente, nunca me interessei em ir para a praia Jurerê por não achar a região tão bonita no quesito mar.

Mas, se você gosta de passar por regiões de casas de alto padrão e sentir um pouco do glamour desses locais, então recomendo uma rápida caminhada. Um dia eu acabei descendo em Jurerê Internacional para combinar com uns amigos para ir até a praia de Daniela.

Aproveitei para tirar algumas fotos pelo centrinho do bairro.

Bairro de Jurerê Internacional em Florianópolis
Dia ensolarado em Floripa
Debaixo da sombra da árvore esperando o meu carro de aplicativo

Caso você esteja na praia de Jurerê Internacional, no canto esquerdo, saiba que tem como chegar a pé até a Praia do Forte. Você só precisa subir um pouco o morro do forte, passar por ele e descer. Não tem como se perder.

O que é a Buser? Serviço de “Uber de rodoviária”

A Buser é uma plataforma que permite viagens pagando mais barato que os transportes de rodoviárias convencionais. Você pode escolher a sua passagem no site da empresa ou baixar o aplicativo de celular para Android ou iOS de forma prática e rápido. Também é possível fazer a compra pelo WhatsApp.

A infraestrutura do Buser tem ônibus com câmeras de segurança, monitoramento por GPS e motoristas treinados. Os tipos de cama são premium, leito e semileito. Depois de fazer a sua reserva pelo site ou aplicativo, no momento do embarque, somente é preciso apresentar o seu RG para viajar. No site Reclame Aqui, a empresa tem uma classificação de ótimo e já foi indicada para concorrer ao Prêmio ReclameAQUI – As melhores empresas para o consumidor 2021.

Buser pode ser comparada a um “Uber de rodoviária”
Imagem/Divulgação

Os passageiros que viajam pela plataforma utilizam um serviço de fretamento executivo “colaborativo” de ônibus que acaba saindo mais em conta. Por isso, os pontos de embarque e desembarque são endereços indicados pelas empresas do serviço da Buser. É preciso verificar se o local está próximo da sua região, ou como chegar até lá.

Forma de pagamento

Você pode comprar as passagens pela Buser com cartão de crédito, boleto ou via Pix. Um e-mail de confirmação será enviado depois da conclusão da reserva. Se você vai fazer a sua primeira viagem, a empresa te dá um desconto de 20%.

Informações

No seu e-mail, você recebe diversas informações sobre a sua viagem como locais de embarque e desembarque, nome do motorista, empresa, horários de saída e chegada, status de confirmação e até um mapa.

Assentos

Não existem formas de escolher o assento no momento da reserva, o sistema é na base do “chegou primeiro”. Ou seja, na hora do embarque, os passageiros da fila vão entrar no ônibus e escolher o seu lugar.

Bagagens

Cada empresa de transporte tem suas regras em relação à bagagem, a Buser não tem um padrão, por isso, é preciso verificar com a empresa do ônibus como funcionam os limites para o transporte. Além disso, a Buser não se responsabiliza por itens perdidos.

Cancelamento

Caso você queira cancelar a sua passagem, a Buser te devolve o valor inteiro da compra, mas é preciso que você cancele pelo menos com uma hora antes do embarque. A devolução do seu dinheiro será por cartão de crédito ou conta bancária.

E se você não conseguir embarcar, o que acontece?

Se acontecer algum imprevisto e você não conseguir embarcar, a Buser mantém a sua reserva em até 30 dias. Ou seja, você não perderá a sua passagem e poderá remarcar uma nova data. Para isso, é preciso que você acesse o site ou aplicativo e vá na opção “Viagem”, depois em “Não conseguiu viajar?”.

Um voucher estará disponível para você em até 7 dias para resgate do valor de sua passagem, que poderá ser agendada em até 30 dias depois de não conseguir embarcar.

Como é a cidade supercolorida de Guatapé na Colômbia?

Guatapé é uma pequena cidade na Colômbia, a uma hora de Medellín. Lá você vai se deparar com um convite para relaxar na natureza e apreciar a animação da cores das construções. Além disso, entre os morros verdejantes e a represa, as ruas desse vilarejo demonstram muito estilo e vida.

Assim que você chegar, fica fácil de encontrar um estabelecimento público, perto da praça central, que distribui mapas da região e auxilia o turista com informações pertinentes aos atrativos do lugar. O passeio a pé é bem-vindo.

Praça Zócales em Guatapé, na Colômbia. Aqui você vai ver muita cor e arte que se derramam pela cidadezinha

O centro dessa cidadezinha é colorido e cheio de opções para comer e beber. Caso você prefira uma vista da represa na hora da refeição, restaurantes perto não vão faltar. Os preços não são caros, é possível comer algum prato típico saboroso sem comprometer o bolso.

Uma ruazinha de Guatapé mostra como existe alegria nas ilustrações no interior da Colômbia
Arquivo pessoal

Para visualizar algumas ilhas e mansões, é preciso pegar um barco que faz o tour que dura aproximadamente uma hora. Passear pela represa navegando, irá revelar algumas histórias que estão ligadas aos problemas sociais do país.

Se você preferir dormir na cidade, existem opções de hospedagem fáceis de serem encontradas perto do centro e nas ruas em volta.

Essa é represa da cidade. Não faltou chuva, né? É aqui que você consegue fazer um passeio de barco, que eu altamente recomendo
Arquivo pessoal

Deixei a minha mochila no canto e fui tirar a minha foto na natureza. Respirar um ar mais puro combinou com uma boa caminhada

Quem quiser ter mais contato com a natureza poderá ir caminhando do centro da cidade até El Peñol, uma pedra gigantesca com 659 degraus. É preciso de tempo para chegar até o topo. A pedra chama a atenção por sua altura, são 2.135 metros. Para quem preferir transporte, existem pequenos veículos no centro de Guatapé que levam até essa pedra.

E para terminar com chave de ouro, essa é gigantesca pedra El Peñol no começo da cidade, mas que recomendo deixar para visitar por último
Reprodução: Jouney Era

O transporte de Medellín até Guatapé é fácil, somente é preciso pegar um metrô até a estação Caribe. De lá vá até o terminal Norte, nele é possível pegar um ônibus que parte para a cidadezinha colorida.

Perrengue: Como a Bolívia acabou sendo palco de imprevistos em viagem econômica

O perrengue escolhido de hoje é o da Cris Freitas (@cryss_freitas). Tudo começou quando a goiana, em torno de 26 anos na época, e seus dois amigos Rui e Dani foram passar as férias na Bolívia, que incluiu conhecer o mais famoso e maior deserto de sal do mundo: o Salar de Uyuni

As passagens aéreas foram compradas com embarque em São Paulo e desembarque na cidade boliviana de Santa Cruz de la Sierra, para de lá, pegarem um transporte até o Salar de Uyuni. Os preços baratos dos voos ajudaram muito nos gastos. A ida até a capital La Paz foi em um ônibus tão barato, que os passageiros até dividiam espaço com as galinhas, porcos e outros animais de pequeno porte.

Nem é preciso falar que Cris e seus amigos de viagem estavam com o dinheiro contado. Cada custo com alimentação, transporte e passeios foi exatamente e estritamente calculado, num aperto só. Quando você, meu amigo leitor ou leitora, sai com o dinheiro contado de casa para ir no centro da sua cidade, você já pensa o que pode acontecer? Imagina isso em outro país.

Quando chegaram em La Paz, Cris ouviu a recomendação do taxista de um hotel bem barato, no entanto decidiu ir em outra opção, de quando tinha ido na Bolívia antes. Era um hotel também bastante econômico recomendado por um casal de brasileiros. Na hora em que chegaram no estabelecimento, a atendente informou que aquele lugar nunca tinha sido um hotel antes. Nesse caminho do táxi até o suposto hotel, a nossa viajante já foi protagonizando o primeiro perrengue leve do dia: a jovem percebeu que tiraram um pacote de pilhas do bolso dela.

Depois da primeira tentativa frustrada de achar um hotel, o grupo de amigos voltou para a sugestão do taxista, bem barata, diga-se de passagem. No momento da chegada, depois de entrarem no estabelecimento, viram que, o quarto, ao lado dos seus aposentos, tinha aquelas faixas amarelas de interdição da polícia. Poucos dias antes, havia acontecido um assassinato bem ali.

O susto inicial não foi capaz de quebrar com o ânimo de passear pela cidade de La Paz. Durante o bate perna, a Dani começou a sentir bastante os efeitos negativos da altitude da região. O Rui também não estava se sentindo bem, até sangramento no nariz teve. Cris estava tranquila, leve e solta. Ninguém tinha chegado até ali para ser parado por meros problemas de saúde. Todos os amigos decidiram prosseguir para o almejado, sonhado e desejado Salar de Uyuni.

O ponto alto dos contratempos foi logo no salar, bem onde Cris tinha sonhado tanto em conhecer, que até estudou tudo sobre a atração. No meio das pesquisas, entendeu a importância de escolher uma agência de turismo com carros novos, pois acontecia bastante de os veículos quebrarem no meio do deserto.

Cris começa o passeio feliz e brincando no Salar de Uyuni, nem imaginado o que viria mais para frente

Depois de um trabalho de pesquisa árduo, dedicado e apurado em quatro agências, a escolha da Cris foi simplesmente descartada. Ganhou a preferência do Rui e da Dani. A intuição da Cris insistiu em tentar convencer os seus companheiros de viagem, porém sem sucesso.

Então lá foram os três brasileiros para o passeio que dura três dias. No carro da agência, havia três estadunidenses: duas moças e um rapaz, esse último não teve um dia melhor para descarregar os seus gases durante a viagem toda.

No fim do belo tour, o carro quebra bem no meio do deserto. Horas e horas se passaram sem nem uma alma viva aparecer naquele lugar remoto. Cris, Dani e Rui já ficaram preocupados porque precisavam sair dali logo, afinal já tinham planejado pegar um ônibus de Santa Cruz, para de lá, chegarem em São Paulo. Lágrimas rolaram no rosto de Dani. Depois de um longo tempo, quando avistaram o primeiro carro passando, o pedido de socorro para uma carona foi atendido gentilmente.

Essa é Cris no carro da agência depois do tour. Brincadeira, esse é um vagão do cemitério de trem no Salar de Uyuni

Os três aventureiros conseguiram chegar são e salvos em Santa Cruz até mesmo antes do esperado. De lá decidiram pegar um trem até a fronteira do Brasil e depois foram para Corumbá (Mato Grosso do Sul). Ter um lugar para comprar comidinhas brasileiras e poder sacar dinheiro foi um completo oásis nesse término da viagem. Após tudo isso, Cris, Dani e Rui conseguiram voltar para São Paulo sem mais imprevistos.

Como é o centro da cidade de Cochabamba, na Bolívia?

O centro da cidade de Cochabamba na Bolívia foi uma surpresa para mim. Hoje eu vou mostrar essa região com as suas lindas praças presenteadas por um trabalho de jardinagem, que eu vi em poucos lugares. Outro lugar para conhecer também é o lago La Angostura.

Faria fácil um quadro com uma paisagem urbana dessas repleta de flores
Arquivo pessoal

Diversos estudantes brasileiros vão para Cochabamba por causa dos valores mais acessíveis dos cursos de Medicina. Ao andar pela cidade, você percebe uma vida universitária pulsante. Nas praças é muito comum ver jovens e famílias simplesmente passeando à noite sem nenhuma preocupação.

Olha o trabalho da podadura. Merece uma foto, né
Arquivo pessoal

Os preços dos restaurantes, do transporte e da hospedagem são acessíveis, porém existem também as opções mais luxuosas que têm os seus valores informados em dólares. Quem gasta pouco aproveita e quem gasta mais também. No caso das praças, todo mundo que tiver disposição para caminhar por lá, vai aproveitar o programa sem custo.

A cidade de Cochabamba tem uma parte mais movimentada, mas esse lado é ideal para quem quer descansar e apreciar a vista
Arquivo pessoal

Para fechar o fim do dia, depois do pôr do sol, o Lago Angostura é uma ótima parada, quando começa a escurecer, você pode ver as luzes das casas refletindo na água. Caso você tenha disposição, é até possível fazer uma corrida. Só não se esqueça que o fôlego tem que ser dobrado, por causa da altitude da cidade de 2570 metros acima do nível do mar.

Depois das praças no centro, o Lago Angostura é uma parada linda para terminar o passeio. Só não esqueça de levar uma blusa
Arquivo pessoal

Perrengues de viagem: Duas histórias reais de quem só queria passear, mas passou sufoco

Quem viaja sempre quer relaxar, se divertir e viver o sonho de conhecer o destino escolhido para ter recordações fantásticas. No entanto, nem sempre as lembranças de viagens correspondem às expectativas desejadas. É nesse momento que nascem os perrengue de viagem, que são as histórias dignas para dar boas risadas ou transmitirem aprendizados. Conheça alguns viajantes que têm casos no mínimo hilários, enquanto tentavam passear pelo mundo:

Achados e perdidos em terras internacionais

A Tânia, do canal Impressões do Mundo, e seu marido, Hilton, radialista, estavam na Itália no ano de 2013, quando desembarcavam no aeroporto de Malpensa com quatro malas e duas mochilas (só faltou levar o guarda-roupa).

O casal continuou a viagem do aeroporto de Malpensa, pegando um trem até a estação central de Milão. Os dois pombinhos bateram altos papos com uma moça durante quase todo o trajeto pelos trilhos. Quando chegaram na estação, ficaram de boca aberta com tamanha beleza e grandeza do lugar até que Hilton decide tirar várias fotos. Porém, no momento em que ele levou a mão atrás das costas, notou que não carregava a mochila com a câmera fotográfica.

Uma corrida cheia de agonia começou atrás dos pertences. O radialista disparou que nem um raio pela estação pedindo licença. Mesmo com todo o esforço, não encontrou nada, somente um monte de pessoas com cara de curiosas para o semblante exasperado.

Mas não foi que o Hilton acabou esquecendo a segunda câmera do casal na bandeja do raio-x, bem na hora da checagem no aeroporto antes do voo de volta para São Paulo? Nem dava mais para o marido da Tânia testar novamente o condicionamento físico por causa das portas fechadas do avião, momento em que se deu conta da nova perda.

Felizes apesar das perdas, afinal estavam viajando
Arquivo pessoal

Cerca de um mês depois, falando com um amigo sobre o ocorrido, ouviram dele que conhecia uma pessoa que trabalha em Milão. “Esse conhecido do amigo, passou pelo aeroporto e, dois meses mais tarde, estávamos com nossa câmera (com mais de 5 mil fotos) de volta”, conclui Tânia com o seu final feliz.

Saga pela Europa

Rachel, do blog Viajão, que estava com seu grupo de amigos, havia planejado pegar um trem de Luxemburgo, na manhã do dia seguinte para Paris. Mas só foi acordar que os pesadelos já começaram: todos os trens para a cidade francesa estavam cancelados por conta da greve que ocorreu na época, em dezembro de 2019.

As tentativas frustradas para chegar até a estação de trem em Luxemburgo ficaram de lado quando um amigo descobriu uma empresa de ônibus que faz o trajeto para Paris. No entanto, a viagem que levaria duas horas, se transformou em seis horas pelo transporte rodoviário.

Quando chegaram até o endereço de embarque, se depararam com um terminal muito engraçado, não tinha nenhuma atendente, não tinha loja, não tinha nada, era um estacionamento em um lugar afastado.

Rachel e seus amigos ficaram torcendo para que todas as expectativas de que algum ônibus parasse ali, e os transportassem fossem reais. Para a alegria do grupo, mais passageiros chegaram e então ansiedade diminuiu.

Na chegada do destino, em Paris, o transporte só foi até uma região bem periférica da cidade. Nem os pedidos para um carro pelo Uber estavam dando certo. O jeito foi achar por ali um hotel que permitisse usar a internet para chamar o transporte pelo aplicativo.

Quando finamente chegaram, depois de oito horas de peregrinação, o hotel das reservas em Paris estava em uma área com várias ruas bloqueadas por causa dos protestos daquele dia. O cansaço ainda teve que esperar mais um pouco até a viajante conseguir finalmente entrar na hospedagem.

Rachel não deixou de sorrir depois da viagem exaustiva até Paris
Arquivo pessoal

Curtiu as histórias de perrengue? Viveu uma para contar?
Me mande no e-mail:
dianoaventuras@gmail.com

Cerro San Cristóbal, em Santiago no Chile

Um dos pontos mais visitados da cidade de Santiago é o Cerro San Cristóbal. Você consegue ter uma vista muito boa da cidade e da cordilheira, e ainda faz um exercício físico para chegar até o topo do morro. Nem preciso dizer que no domingo é cheio de gente querendo tirar uma foto no melhor ângulo que pode.

O Cerro San Cristóbal em Santiago fica próximo ao centro, não é de difícil acesso. Leve uma garrafinha de água para matar a sede. Caso você não queira subir a pé, tem um transporte que também te leva até o topo do cerro, o funicular. Eu recomendo altamente que você se alongue e curta a experiência de subir a pé, vai ser mais legal por causa do esforço. A vista da montanha é o maior atrativo juntamente com a proximidade da natureza.

Olha só as fotos:

Nessa dia fazia um pouco de frio

Uma praça em cima de um morro alto, nada mal

Cordilheira com neve e prédio famosão Sky Costanera
O sol veio deixando a paisagem mais clara e o céu sem nuvem