Como é o Parque da Independência?

Taissa Renda, em colaboração para o Espelho Pop

Quer uma boa pedida para um passeio ao ar livre na cidade de São Paulo? Então anota aí: Parque da Independência, onde fica localizado o Museu do Ipiranga.

O local é perfeito para uma caminhada ou corrida, para andar de skate, patinete, passear com seu pet, fazer piquenique ou mesmo para sentar no gramado e contemplar a vista.

O local é perfeito para uma caminhada ou corrida, para andar de skate, patinete, passear com seu pet, fazer piquenique ou mesmo para sentar no gramado e contemplar a vista.

Vista do Parque da Independência para o Museu do Ipiranga

E se você é apaixonado pela história do Brasil, o parque fica ainda mais atrativo. Foi lá, na colina do Ipiranga, junto ao Riacho do Ipiranga, que D. Pedro I declarou o país independente de Portugal, no ano de 1822. É realmente um lugar histórico e patrimônio nacional.

O Parque Independência tem um impressionante jardim francês, que liga o Monumento à Independência ao Museu do Ipiranga. Além da beleza, a área verde também possui uma rica e diversificada sua fauna e flora. Já foram identificadas 160 espécies arbóreas na região, sendo 39% consideradas exóticas. Legal demais, né?

A fauna já tem 94 espécies registradas, sendo 73 de aves e quatro mamíferos, além de 14 espécies de borboletas. Já imaginou encontrar com um preguiça-de-três-dedos no meio do caminho? Ou observar os papagaios e periquitos? Pica-paus e pássaros da família do bem-te-vi também são muito comuns.

De frente ao Monumento à Independência

Os prédios presentes no parque formam um complexo tombado pelo patrimônio histórico que inclui:

1 – Museu Paulista (Museu do Ipiranga): um dos pontos principais da cidade onde está um
vasto acervo de obras, documentos e objetos históricos;

2 – Monumento à Independência: o principal símbolo do parque, inaugurado em 1922, em comemoração ao centenário da Independência;

3 – Cripta Imperial: também chamada de “Capela”, fica localizada sob o monumento, abrigando os restos mortais de D. Pedro I. Até 2024 está com a exposição “Representações da Nação: o Monumento à independência e a Cripta Imperial”;

Essa é a vista para o Monumento à Independência

4 – Jardim Francês: com todo o paisagismo restaurado, inclusive a fonte central e as outras duas;

5 – Museu de Zoologia: onde estão as maiores coleções da fauna brasileira. O museu da USP (Universidade de São Paulo) garante a diversão e conhecimento para todas as idades, com entrada gratuita;

6 – Casa do Grito: o local está com a exposição “Da Independência ao Grito: História de uma casa a pau-a-pique”.

O parque e o museu passaram por uma grande reforma e ampliação em comemoração ao Bicentenário da Independência. É realmente um lugar que vale a pena a visita. Um refúgio no meio da caótica cidade de SP.

Via Tripadvisor, ckturistando, áreas verdes das cidades e prefeitura de São Paulo.

5 lugares para conhecer em Florianópolis

Olá, amigos. Florianópolis têm praias, trilhas e uma parte urbana para você conhecer. Se você curte as praias, o único período bom é o verão. Falo isso por já ter morado dois anos em Floripa, como apelidam a ilha de Santa Catarina. Entre as praias, recomendo Daniela, Lagoinha da Ponta das Canas, Canasvieiras e Barra da Lagoa.

Se você curte trilha, não pode perder a Trilha da Lagoinha Leste. Na parte urbana da cidade, a Ponte Hercílio Luz é o cartão-postal, nas proximidades onde você encontra diversas opções de comidas, ainda mais se estiver no mercado público.

Vou deixar aqui 5 lugares que gostei de conhecer:

Praia

Daniela

Essa é uma praia com um mar com uma temperatura morna, aconchegante e tem ondas tranquilas, bem leves, por isso, você consegue ver a presença de muitas crianças por ali. O mar da praia de Daniela tem um tom claro esverdeado, o que vai depender do dia.

Essa praia fica no norte de Florianópolis que, inclusive, é onde tem as praias com as águas mais quentes da ilha. Ou seja, se você não está acostumado com mar frio, então fuja do sul da ilha.

Daniela está cercada de mata e tem ondas calmas para um dia relaxante

Lagoinha da Pontas das Canas

Essa praia fica na região norte da ilha, perto de Canasvieiras. O mar da Lagoinha da Ponta das Canas é tranquilo, tem uma cor azulada e esverdeada de tom claro. Se você for no verão, vai pegar uma temperatura muito agradável. A faixa de areia é extensa e o vento pode bombar em alguns dias, por isso, afunde bem o seu guarda-chuva na areia.

Linda paisagem em Lagoinha da Ponta das Canas

Canasvieiras

Na minha opinião, Canasvieiras têm um dos mais bonitos pôr do sois de Florianópolis.

Pôr do sol em Canasvieiras, tá pouco ou quer mais?

O mar de Canas, apelido do bairro, tem ondas mais movimentadas, mas nada que seja perigoso. O vento lá pode bombar muito. A temperatura pode ser agradável no “verãozão” e a cor da água fica azulada bem bonita em um dia de sol radiante.

Sol e mar em Canasvieiras

Essas são apenas algumas opções de praias. Aqui você encontra 7 praias que eu escolhi para curtir em Floripa. Se você gosta de mergulhar em águas menos mornas, tem a praia da Barra da Lagoa com uma vista sensacional das piscinas naturais.

Rio da Barra da Lagoa

Trilha

A Trilha da Lagoinha Leste

Essa foi a trilha mais extensa que fiz em Florianópolis. A Trilha da Lagoinha Leste é bem famosa na cidade e fica na região sul. Lá você tem um contato grande com a natureza e vai precisar de algum condicionamento físico para encarar subida e a descida. No fim do caminho tem a praia Lagoinha Leste.

Da própria trilha, você já consegue avistar o mar. Eu levei aproximadamente uns 40 minutos para chegar até a praia. Escolhi pegar o caminho mais curto que é chamado de Pântano Sul.

No meio do caminho, você encontra pequenas fontes
Bela vista da praia
Essa é a praia da Trilha da Lagoinha Leste, porém essa água é gélida, o que só compensa é a vista e a caminhada no meio da selva mesmo

Parte Urbana

A famosa Ponte Hercílio Luz é um lugar para tirar a sua selfie imperdível. Nos fins de semana e e feriados, pelo menos pelo o que vi, tem como passear pela ponte que fica aberta para o público. O lugar fica perto do centro de Florianópolis. Então dá para aproveitar e passar no Largo da Alfândega e no Mercado Público para comer alguma coisa.

Noite de inverno em Floripa

Dia nublado em Floripa. Paisagem não está tão bonita, mas é real

Como foi o meu passeio em Atibaia

Atibaia é conhecida pela Festa de Flores e Morangos. Neste ano, a festa começou dia 3 de setembro, sexta-feira. A cidadezinha fica no interior do estado de São Paulo a uma hora da capital e já foi considerada a segunda melhor do mundo no clima, somente atrás de Davos, na Suíça. Eu fui lá conferir como é esse lugar. O ponto de maior destaque foi a Pedra Grande, um local imperdível para conhecer e apreciar uma vista panorâmica da natureza.

Sentado para apreciar a vista da natureza do alto da Pedra Grande

Pedra Grande

Você pode chegar até a trilha da Pedra Grande pelo condomínio arco-íris. Do centro de Atibaia, eu pedi um Uber até o condomínio. O valor foi quase R$ 15,00.

Aqui é o começo da trilha para a Pedra Grande

Depois de chegar no condomínio, o caminho da trilha dura aproximadamente três horas. Já vou avisando que a subida é bastante íngreme e vai exigir alguma preparação física. Como já treino na academia, demorei duas horas para chegar até a Pedra Grande. Existem outros caminhos mais longos e menos difíceis. Esse percurso que fiz é o menos longo, porém é árduo.

É melhor sempre seguir as placas se você não conhece os caminhos da trilha 🙂

É possível você contratar uma agência de viagens para te levar para lá. Mas, se você for por conta própria, é melhor separar o dia todo para esse atrativo, ainda mais se você descer e subir o pico da Pedra Grande a pé. Eu fiz esse trajeto a pé. Comecei por volta das 15h, cheguei 17h e já tive que descer 17h40 para não ficar no escuro na trilha.

Depois de duas horas de esforço físico constante, cheguei na Pedra Grande todo cansado e suado, mas com a sensação de “consegui”. Pude apreciar a maravilhosa vista daquela natureza linda e da vista das nuvens. Eu me surpreendi com a paisagem.

O fim de tarde em Pedra Grande valeu o esforço e exaustão

O ideal é ir cedo para apreciar essa natureza por mais tempo

Talvez seja possível combinar com um Uber de subir até o topo. Eu vi uns carros lá, então provavelmente deve ter um caminho que os veículos que não são de agência de viagem fazem. Pode ser que na próxima vez que for, eu tente subir dessa forma e descer a pé.

Antes de descer para não perder a claridade do dia, consegui uma foto com o sol começando a se despedir

Fora a Pedra Grande, eu tinha ido antes no centrinho, no Museu Municipal e no Lago do Major que tem um teleférico que eu me atrevi a pegar e fiquei suando naquela altura. Ainda bem que foi rápido somente 500 metros. O preço do teleférico só a ida é R$ 15,00.

Vista do teleférico de Atibaia

Praça no centro de Atibaia
Lá você encontra diversas relíquias que fazem parte da história da cidade

Aqui vai o vídeo desse dia:

Onde comer um fondue em Campos do Jordão

Olá, pessoal. Eu fui fazer um bate e volta lá em Campos do Jordão e acabei chegando bem na hora do almoço. Depois de olhar algumas opções, escolhi almoçar no Vemauguet 67, que é um bar/restaurante, que fica na rua Vítor Godinho, 206⁣, perto daquele corredor de guarda-chuvas vermelhos. O meu prato escolhido foi o tão típico fondue que vem na versão salgada e, juntamente no mesmo pedido, a versão doce.

Ambiente familiar tem pratos que servem uma ou mais pessoas

O espaço do é amplo. Tem um estilo moderno e bonito que deixa você à vontade.

Tem um andar no restaurante, mas eu preferi ficar na parte de baixo

Para você comer o fondue tranquilamente, é preciso separar umas duas horas. Pois a carne vem crua, sendo que é filé mignon e tiras de peito de frango, e você mesmo é quem as fritam numa pequena churrasqueira que colocam na sua mesa.

Esse é o fondue salgado com queijo parmesão, carnes na churrasqueira pequena, molhos e pães

Você pode mergulhar os pedaços de carne no queijo líquido, o tipo do meu era parmesão, que é aquecido em cima da mesa. Tem também os pães e diversos molhos para você não morrer de fome enquanto espera as carnes ficarem prontas rsrsrs.

Esse é o fondue doce com frutas, chocolate derretido e aquecido para vencer a fome. Somente esse prato, que inclui o salgado e doce, pode servir dois ou três e custa em torno de R$ 140,00

Depois de acabar o fondue salgado, os garçons vão servir o fondue doce, que vem com diversas frutas e um chocolate em calda que também é esquentado na sua mesa.

O valor da conta toda que foi de quase R$ 200,00, incluindo o cover artístico de (R$ 22), que achei muito bom, foi o primeiro que eu vi soltando a voz mesmo. Pedi também uma água mineral e uma Coca-cola. Dá para dividir pelo menos para duas pessoas o prato, então a média é de R$ 100 para cada um.

E aqui vou deixar aqui opções de pratos individuais no restaurante/bar Vemaguet 67:

Opções de pratos para uma pessoa

Lagoinha da Ponta das Canas é ideal para relaxar num mar tranquilo

Essa foi uma das melhores praias que conheci. Lagoinha da Ponta das Canas fica na parte norte de Florianópolis, tem ondas razoáveis, mas não fortes, águas claras de tom azulado e que podem ter uma temperatura morna. Eu já morava há um tempão na cidade, mas ainda não tinha ido lá.

O legal de Lagoinha da Ponta das Canas é que você consegue subir numa trilha e tirar foto perto da praia

Essa praia tem um ambiente mais familiar. Tem uma trilha do lado direito e do lado esquerdo. Na primeira vez que fui, caminhei para o lado direito e aproveitei para dar uma passeada rápida pela trilha.

Na região é mais fácil encontrar condomínios e hotéis do que propriamente casas. A faixa de areia é extensa, então dá para se acomodar em algum lugar sem precisar ficar apertado, a não ser que você vá em dias muito lotados. Em relação ao transporte, tem ônibus que passa na praia que dá para pegar no Tican (Terminal de Canasvieiras).

Paisagem natural é ótima para fotos, cenário deslumbrante

Esse já é o lado esquerdo da praia

No lado esquerdo, você percebe que a praia tem um mar mais profundo e pedras maiores. Também tem um quiosque para servir os visitantes com comidinhas e bebidinhas. Lembrando que nada na beira da praia em Florianópolis tem um valor razoável. Achei tudo mais caro.

O dia estava ensolarado do jeito que eu gosto

Caso queira alugar cadeira e guarda-sol, você pode encontrar o serviço tanto na parte direita quanto esquerda da praia. Na época o aluguel era em torno de R$ 30,00, o que vai depender da temporada, e esse preço também não é mesmo nas diferentes praias.

Onde gostei de ver o pôr do sol em Florianópolis?

Se você gosta de apreciar o fim de tarde e o pôr do sol na praia, Santo Antônio de Lisboa que fica na parte norte de Florianópolis é imperdível para terminar o dia. Lá você consegue ver o sol se pondo no meio do mar. É lindo. Se você também gosta de comer frutos do mar, restaurantes não vão faltar na região.

Ah, essa região é só para passear mesmo, não dá para tomar um banho de mar, pois as águas não são convidativas e a areia é cheia de pedrinhas. O forte mesmo de Santo Antônio de Lisboa é o pôr do sol e as diversas opções gastronômicas que existem.

Vários barquinhos no cenário praiano em Santo Antônio de Lisboa

Se mesmo assim você ainda quer curtir o mar e o pôr do sol, a praia que eu mais gostei para isso foi Canasvieiras que também fica na região norte de Florianópolis.

Aproveite simplesmente para dar um passeio pela calçada de paralelepípedos que foi a primeira rua pavimentada de Santa Catarina. No sábado de manhã, essa calçada tem umas banquinhas com artesanatos à venda.

Mais um pouco para frente tem a praia de Sambaqui, que dá uns vinte minutos a pé. De lá acabei tirando as fotos dos últimos segundos do sol no mar.

Olha isso…

Tchau, tchau, fim do dia

Areia, mar e despedida do sol

Como são as piscinas naturais na Barra da Lagoa em Floripa

As piscinas naturais são imperdíveis e estão próximas da praia da Barra da Lagoa que fica no leste de Florianópolis. Não espere encontrar águas mornas por lá, mas o lugar é lindo, tem uma praia com uma boa extensão, um rio de tom esverdeado que passa do lado e uma prainha com várias pedras que dá para subir em cima e tirar fotos.

Para chegar até as piscinas naturais, é preciso percorrer uma trilha rápida, que fica depois da ponte, e leva uns 15 ou 20 minutos.

Esse é o rio que passa do lado da praia da Barra da Lagoa em Florianópolis
Existem uns passeios de barco que dá para fazer por lá
Em geral as pessoas não mergulham neste rio, mas ele é limpo. Talvez seja por causa da presença de barcos
Essa é a vista das piscinas naturais
Eu em frente às piscinas naturais da Barra da Lagoa. Cuidado ao andar pelas pedras molhadas que são muito escorregadias
Essa é a prainha que fica no começo da trilha que leva às piscinas naturais

Outro lugar próximo da Barra da Lagoa com diversas opções de restaurantes e comércios é a Lagoa da Conceição, nunca andei por lá, porque sempre fui diretamente nas praias. Mas, para um jantar ou um lanche no fim da tarde, é um lugar bom para conhecer.

Esse é o começo da Lagoa da Conceição em um dia que tinha errado o ponto do ônibus

Como foi viajar pela primeira vez para fora do Brasil

Eu já tinha sonhado muito em pegar um voo para algum lugar fora do Brasil, porém não tinha condições financeiras de realizar esse propósito. Mesmo assim eu me atrevi a acreditar que ia conseguir. Até tinha feito um plano em um caderninho com os custos e os lugares para conhecer em Buenos Aires. Será que esse seria o meu primeiro lugar internacional para viajar de fato?

Depois de quase 1 ano deste plano, as coisas na vida profissional já tinham fluído muito. Então lá foi eu reservar a minha passagem e hospedagem em Buenos Aires. Nossa que emoção, eu nunca tinha pegado um avião sequer para nenhum lugar do Brasil, imagina para outro país. Calcula o tamanho da minha alegria.

Eu tinha comprado um voo de São Paulo com escala no Rio de Janeiro para Buenos Aires. Então sabia que ia ficar o dia todo viajando. O primeiro voo era às oito da manhã, por isso iria chegar por volta de umas seis horas da tarde na Argentina e feliz da vida.

O engraçado é que não foi uma viagem por um tempo de duas semanas ou um mês. Esse foi o início de uma aventura que durou quase 1 ano e meio por 12 países, e mais de 40 cidades. Pra quem não tinha experiência em viagem nenhuma no exterior, eu fiz uma grande coisa.

Na tarde anterior da minha viagem, lembro que tive o maior sufoco para fechar a minha mala de 20 kg que resolveu quebrar o zíper. Será que era porque eu queria levar praticamente o meu armário todo nela? Se você desse olhada dentro dele, só ia ver uns cabides que sobraram.

Respirei fundo para arrumar aquele zíper. Não dava para tentar comprar outra mala e eu não queria ter que arrumar tudo de novo e ter mais trabalho. Então deixei o zíper imóvel de lado e fui puxar o outro disponível. Ainda bem.

De noite me despedi da minha mãe que não estava acreditando que ia fazer essa viagem. Só quando ela viu a mala que acreditou. A despedida foi um momento que me deixou meio tocado. Nos abraçamos e eu prometi sempre ligar para dar notícias.

Levantei de madrugada para não ter risco de perder o voo por causa de atraso. Afinal quantas vezes já aconteceu de eu não poder ver um atraso que já queria chegar acompanhado dele.

Fui tomar o meu banho relaxante. Arrumei minhas coisas, me despedi outra vez de todo mundo que estava acordado (avó e mãe) e finalmente chamei o carro por aplicativo para o aeroporto de Guarulhos.

Acompanhado pela minha irmã na hora do check-in, a atendente no balcão pede os meus documentos para confirmar o voo e me pergunta:

– Você gostaria de ir em um voo direto para Buenos Aires? Vai sair às oito horas.

– Sim, claro – Nossa, que legal, não ia ter que pegar escala mais. Só eram três horas de voo direto. Depois disso, sabia que ali tinha começado a minha viagem com o pé direito.

Quando eu entro no avião, percebo que a minha poltrona não era comum, tinha um espaço maior e era cheia de botões. No outro compartimento do avião, tinha umas cadeiras mais econômicas, o que fazia todo o sentido para a minha passagem que também era econômica.

Fui tirar a dúvida com a aeromoça. Vai que depois querem cobrar uma taxa a mais por aquele assento que era da classe executiva, também apelidada de execurica por alguns influenciadores de viagem.

– Moça, olha a minha passagem, esse é o meu assento mesmo? – tentei confirmar com a aeromoça aquele equívoco.

– Sim, esse é o seu assento – me confirma. Lógico que eu não ia reivindicar o meu direto de ir classe econômica, né? Então já fui me acomodando e agradecendo a Jesus por ele ser tão legal.

O voo foi bem confortável. Comi à vontade e ouvi algumas músicas. Até um cobertor tinha para eu me enrolar na minha poltrona.

O legal de chegar no aeroporto de Buenos Aires foi ver aquelas plaquinhas em espanhol com instruções para onde ir. Foi aí que de fato já me senti em outro país.

No caminho até o meu apartamento alugado pelo Airbnb, eu reparei nas construções por onde passei que tinha um estilo mais clássico. No meu apartamento, no bairro de Palermo, eu fiquei de cara quando vi que tinha uma inesperada banheira. Será que quem gosta de passar um bom tempo no banho ia gostar?

Nossa, por mais essa ótima supresa eu não tinha esperado. Aquele banheira e eu. E eu e aquela banheira. Os dias de molho com músicas no celular tinham chegado, sem ninguém batendo na porta. Eu só amei. Fui muito feliz nesse meu novo caso de amor que durou um mês, mas que ficou marcado para a eternidade. Aquilo tudo era um sonho? Melhor, era real.

Olha quem eu encontrei andando pela ruas do bairro de San Telmo

João Pessoa, conheça 4 lugares imperdíveis

Você gosta de praias com águas mornas, cristalinas e areia clara? Então João Pessoa, capital do estado nordestino da Paraíba, é um destino imperdível para aproveitar o mar da Praia de Tambaú, as piscinas naturais de Picãozinho e a Praia do Jacaré, ideal para apreciar o pôr do sol. Na parte cultural e gastronômica, visite as diversas lojas no Mercado de Artesanato Paraibano.

Venha conhecer 4 locais espetaculares em João Pessoa, também apelidada de Jampa:

1 – Praia de Tambaú

A Praia de Tambaú é considerada uma das melhores da capital paraibana e por isso é a mais badalada. Lá você vai poder relaxar e se divertir em uma paisagem natural repleta de coqueiros, mar com ondas amenas, águas mornas, cristalinas e de cor esverdeada nas regiões mais afastadas da orla.

Perto desta praia, existe uma estrutura para você se hospedar, beber e comer com satisfação. Aproveite para experimentar a carne seca ou buchada de bode, pratos típicos regionais. No calçadão, quiosques estão disponíveis para tomar uma água de coco refrescante no calor do nordeste.

Mar calmo e beleza nervosa na beira da Praia de Tambaú
Reprodução/Instagram @tacionorton

2 – Piscinas naturais de Picãozinho

Nas piscinas naturais de Picãozinho, a única coisa ruim é a hora de ir embora. Nesta região que fica mar adentro da Praia de Tambaú, a uma distância de 1500 metros, a maré baixa acaba formando piscinas com águas cristalinas e mornas, onde é possível mergulhar e ver peixinhos de diferentes cores “passeando”.

O valor deste passeio pode custar de R$ 25 até R$ 50. É possível comprá-lo na Apetep (Associação dos Proprietários de Embarcações de Turismo de João Pessoa), que é uma das empresas disponíveis no calçadão de Tambaú. O trajeto da praia até o recife de Picãozinho dura em torno de 15 minutos. O tempo estimado do passeio de barco é de 3 horas.

Beleza paradisíaca no nordeste caribenho
Reprodução/Instagram @passear_turismo

3 – Praia do Jacaré


Na Praia do Jacaré, em Cabedelo, cidade próxima de João Pessoa, o momento mais lindo do dia para estar presente é no pôr do sol. Nada como observar os últimos segundos do dia com uma vista do horizonte do Rio Paraíba.

Caso prefira, você pode fazer o passeio de barco que é vendido na plataforma de frente ao mar. Outra opção seria pagar o couvert de entrada em um bar perto da orla, para garantir uma vista privilegiada da paisagem do fim de tarde.

O ponto alto desta praia é o pôr do sol
Reprodução/Instagram @betinho_99

Para deixar ainda mais charmosa a experiência, o saxofonista Jurandy toca um belo bolero em um pequeno barco que vai deixar a sua visita inesquecível. Nas proximidades da praia, existem restaurantes, quiosques e bares para beliscar algum petisco, comer uma tapioca ou fazer uma refeição completa e fechar o dia com chave de ouro.

5 – Mercado de Artesanato Paraibano

O Mercado de Artesanato Paraibano (MAP) possui dois andares, estilo colonial, teve a sua inauguração em 1991 e é considerado um ponto turístico indispensável. Muitos visitantes vão lá para comprar lembrancinhas que têm particularidades da arte local.

Além disso, as mais de 120 lojas oferecem roupas, redes, bordados, refeições e até doces típicos para você entender a cultura regional mais de perto. Se você preferir, é possível ir a pé da Praia de Tambaú até o MAP.

Passear no Mercado de Artesanato Paraibano é ver mais de perto a cultura da região
Divulgação/MAP

Endereço: Av. Sen. Ruy Carneiro, 241, Tambaú, João Pessoa, Paraíba
Horário: segunda a sábado das 9h às 19h, domingos das 9h às 15h.

Via Tripadvisor, Melhores Destinos, Guia Viajar Melhor, Quanto Custa Viajar e MAP.

Rota 66 nos Estados Unidos é cenário de viagens reais e filmes

A Rota 66, nos Estados Unidos, que vai de Santa Mônica até Chicago, é uma das mais famosas estradas de filmes e também, pelo menos por mim, é um destino desejado, principalmente para aqueles que buscam uma road trip (viagem de carro) bem inspirados naqueles naquelas de cinema. Mas não é só estrada, não. Existem várias construções no meio do caminho para conferir.

A origem da Rota 66 é de 1938 e ela estava sendo desenvolvida para ser uma autoestrada que viria a criar 96 rodovias. Inicialmente foram projetados 4 mil km de extensão. No caminho é possível passar por 200 cidades e oito estados. Uma placa com o aviso “Mid Point” informa os viajantes da metade do caminho.

Bem na beira da Rota 66, tem o Museum Oklahoma. No local estão memórias, fotos e objetos antigos, a entrada custa US$ 7. Esse pode ser considerado um dos lugares mais emblemáticos da viagem.

Uall, que legal esse museu
Divulgação/Travel Oklahoma

Uma das curiosidades da estrada é o primeiro restaurante do MC Donald’s, que está na rota de San Bernardino, na Califórnia. Quem assistir ao filme Fome de Poder (The Founder), baseado em fatos em reais, vai poder rever a unidade da franquia de sucesso de lanches rápidos anos depois da construção.

Mc Donald’s, onde tudo começou
Reprodução/Embarquenaviagem

No estado do Texas, na cidade de McLean, está o museu do arame farpado, conhecido como Tribute To Barbed Wire.

Quem já imaginou que pudesse existir um museu de arame farpado?
Reprodução/TripAdvisor

Existem vários filmes que trazem a Rota 66 como cenário. O Na Estrada (On The Road) dirigido pelo brasileiro Walter Salles, em 2012, conta uma história baseada em fatos em reais relatada pelo escritor Jack Kerouac. Foram sete anos de viagem pela rota que originaram as experiências que foram parar no filme.

Uma longa distância não deixa de ter uma longa história
Reprodução/Acesso Cultural

Quem assistiu ao antigo Sem destino (Easy Rider, 1969) vai se sentir inspirado a fazer o mesmo trajeto. O filme conta a história de dois amigos que começam uma viagem de moto. Eles iniciam a jornada na cidade de Los Angeles e vão até New Orleans, onde haverá uma festa do Mardi Gras, que é algo equivalente ao carnaval no Brasil. Outros títulos como Forrest Gump, Golpe de Mestre e a série Route 66 têm também a estrada como cenário.

Sem Destino foi um dos filmes que se passam na Rota 66
Reprodução/MUBI