Como foi viajar pela primeira vez para fora do Brasil

Eu já tinha sonhado muito em pegar um voo para algum lugar fora do Brasil, porém não tinha condições financeiras de realizar esse propósito. Mesmo assim eu me atrevi a acreditar que ia conseguir. Até tinha feito um plano em um caderninho com os custos e os lugares para conhecer em Buenos Aires. Será que esse seria o meu primeiro lugar internacional para viajar de fato?

Depois de quase 1 ano deste plano, as coisas na vida profissional já tinham fluído muito. Então lá foi eu reservar a minha passagem e hospedagem em Buenos Aires. Nossa que emoção, eu nunca tinha pegado um avião sequer para nenhum lugar do Brasil, imagina para outro país. Calcula o tamanho da minha alegria.

Eu tinha comprado um voo de São Paulo com escala no Rio de Janeiro para Buenos Aires. Então sabia que ia ficar o dia todo viajando. O primeiro voo era às oito da manhã, por isso iria chegar por volta de umas seis horas da tarde na Argentina e feliz da vida.

O engraçado é que não foi uma viagem por um tempo de duas semanas ou um mês. Esse foi o início de uma aventura que durou quase 1 ano e meio por 12 países, e mais de 40 cidades. Pra quem não tinha experiência em viagem nenhuma no exterior, eu fiz uma grande coisa.

Na tarde anterior da minha viagem, lembro que tive o maior sufoco para fechar a minha mala de 20 kg que resolveu quebrar o zíper. Será que era porque eu queria levar praticamente o meu armário todo nela? Se você desse olhada dentro dele, só ia ver uns cabides que sobraram.

Respirei fundo para arrumar aquele zíper. Não dava para tentar comprar outra mala e eu não queria ter que arrumar tudo de novo e ter mais trabalho. Então deixei o zíper imóvel de lado e fui puxar o outro disponível. Ainda bem.

De noite me despedi da minha mãe que não estava acreditando que ia fazer essa viagem. Só quando ela viu a mala que acreditou. A despedida foi um momento que me deixou meio tocado. Nos abraçamos e eu prometi sempre ligar para dar notícias.

Levantei de madrugada para não ter risco de perder o voo por causa de atraso. Afinal quantas vezes já aconteceu de eu não poder ver um atraso que já queria chegar acompanhado dele.

Fui tomar o meu banho relaxante. Arrumei minhas coisas, me despedi outra vez de todo mundo que estava acordado (avó e mãe) e finalmente chamei o carro por aplicativo para o aeroporto de Guarulhos.

Acompanhado pela minha irmã na hora do check-in, a atendente no balcão pede os meus documentos para confirmar o voo e me pergunta:

– Você gostaria de ir em um voo direto para Buenos Aires? Vai sair às oito horas.

– Sim, claro – Nossa, que legal, não ia ter que pegar escala mais. Só eram três horas de voo direto. Depois disso, sabia que ali tinha começado a minha viagem com o pé direito.

Quando eu entro no avião, percebo que a minha poltrona não era comum, tinha um espaço maior e era cheia de botões. No outro compartimento do avião, tinha umas cadeiras mais econômicas, o que fazia todo o sentido para a minha passagem que também era econômica.

Fui tirar a dúvida com a aeromoça. Vai que depois querem cobrar uma taxa a mais por aquele assento que era da classe executiva, também apelidada de execurica por alguns influenciadores de viagem.

– Moça, olha a minha passagem, esse é o meu assento mesmo? – tentei confirmar com a aeromoça aquele equívoco.

– Sim, esse é o seu assento – me confirma. Lógico que eu não ia reivindicar o meu direto de ir classe econômica, né? Então já fui me acomodando e agradecendo a Jesus por ele ser tão legal.

O voo foi bem confortável. Comi à vontade e ouvi algumas músicas. Até um cobertor tinha para eu me enrolar na minha poltrona.

O legal de chegar no aeroporto de Buenos Aires foi ver aquelas plaquinhas em espanhol com instruções para onde ir. Foi aí que de fato já me senti em outro país.

No caminho até o meu apartamento alugado pelo Airbnb, eu reparei nas construções por onde passei que tinha um estilo mais clássico. No meu apartamento, no bairro de Palermo, eu fiquei de cara quando vi que tinha uma inesperada banheira. Será que quem gosta de passar um bom tempo no banho ia gostar?

Nossa, por mais essa ótima supresa eu não tinha esperado. Aquele banheira e eu. E eu e aquela banheira. Os dias de molho com músicas no celular tinham chegado, sem ninguém batendo na porta. Eu só amei. Fui muito feliz nesse meu novo caso de amor que durou um mês, mas que ficou marcado para a eternidade. Aquilo tudo era um sonho? Melhor, era real.

Olha quem eu encontrei andando pela ruas do bairro de San Telmo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s